Cadastre seu e-mail e receba informativos
AQUÁRIOS

 Biologia do aquário
 Decoração
 Filtragem
 Iluminação
 Montagem do aquário
 PH
 Temperatura


PEIXES

 Colocando no aquário
 Escolhendo o peixe

 Betta Splendens


DOENÇAS

 Bactérias
 Fungos
 "Olhos inchados"

 Parasitas
 Protozoários


Menu de serviços

 Achados e perdidos 
 Adoção
 Álbum de Fotos
 Amizades
 Cadastro de Pet Shop
 Cãorreio sentimental
 Doação
 Dogcast
 Histórias
 Página Animal
 Pesquisar estudantes
 Pesquisar veterinários

 TV Webanimal videos



Criando peixes Betta

por Silvia Parisi

A fama de briguento do macho não é à toa. Na natureza, o Betta precisava sobreviver com o mínimo de condições e disputava o território com outros da sua espécie. Ele guarda até hoje o instinto territorial e não pode viver na companhia de outro Betta. Experimente colocar um espelho próximo ao aquário de um Betta. Ao confundir sua imagem com a de outro Betta ele abrirá as nadadeiras, furioso, e se colocará em posição de ataque.

Isso deve ser feito de vez em quando, e é considerado um bom exercício para as nadadeiras. Feito a todo momento, deixará o peixe exausto.


Betta em repouso e ao ver seu reflexo no espelho

Incrivelmente, se o macho Betta for colocado num aquário com outros peixes poderá apanhar... Isso mesmo! Suas nadadeiras atrativas podem fazer com que ele seja atacado por outras espécies. Além disso, as condições necessárias para os outros peixes sobreviverem podem não ser ideais para o Betta. Assim, colocá-lo num aquário comunitário pode ser um risco.

Já as fêmeas Betta podem viver juntas em aquários com outras fêmeas da mesma espécie ou peixes diversos. É claro que, vez ou outra pode aparecer uma fêmea Betta briguenta, mas em geral elas convivem bem com outros peixes.

Amor bandido

A fêmea do peixe Betta, assim como acontece com a maioria das fêmeas no reino animal, é menor e não tem a exuberância, cor e beleza do macho. Como se essa desvantagem não bastasse, ela sequer pode conviver com o macho no mesmo aquário, sob o risco de ser atacada. Quando está "ovada", no linguajar dos aquaristas, ela ganha listras e é possível observar um ponto amarelado em seu abdomen, o aparelho ovipositor cheio de ovos que fica bastante evidente. Assim que a fêmea entra nessa fase e o macho começa a depositar bolhas na superfície do aquário, é o momento do acasalamento.


Fêmea Betta: menor e cauda curta

Por algum tempo o macho Betta tolera a presença da fêmea, a envolve com seu corpo e a "abraça". Essa pressão faz com que os ovos, 300 em média, sejam liberados e em seguida fecundados. O macho, delicadamente, recolhe os ovos um por um e os coloca em seu ninho de bolhas. Após terminado o trabalho, volta-se para a fêmea a expulsa do aquário, sem qualquer cerimônia! É preciso retirar a fêmea cuidadosamente, logo após a desova.


Bolhas na superfície: macho fazendo o ninho

O macho cuidará dos ovinhos até o nascimento dos alevinos (filhotes), algo que ocorre após 24 a 48 hs. Continuará os cuidados paternais por mais 4 a 5 dias, fase em que os peixinhos permanecerão "pendurados" na vertical junto ao ninho, na superfície do aquário. Assim que os alevinos começarem a nadar na horizontal, o macho Betta deve ser retirado, do contrário poderá comer todos os filhotes!

Daí em diante, os peixinhos precisarão de alimentação especial e uma pequena quantidade de ar dissolvida na água, já que seu labirinto ainda não é desenvolvido para retirar oxigênio da superfície. Uma pequena bomba de ar fornecerá o oxigênio suficiente à água do aquário. Embora muitos ovos eclodam, apenas alguns alevinos irão sobreviver. Podem ser necessárias várias tentativas para se conseguir alcançar sucesso na reprodução dos Bettas.

Como qualquer criação, é preciso pensar bem antes de se decidir por ela. Deixar os peixes se reproduzirem é emocionante, mas você já pensou o que vai fazer com tantos peixinhos em casa? E tantos aquários para cuidar?


Várias colorações de peixes Betta

Resitente, mas nem tanto

Os peixe Betta, apesar de muito resistentes, podem adoecer como qualquer outro peixe. Água muito suja e excesso de alimento podem propiciar o aparecimento de fungos, bactérias ou parasitas que causarão doenças em seu peixinho. O estresse causado por mudanças bruscas de Ph, temperatura ou presença de outro peixe Betta por perto podem fazer o peixe ficar doente e causar problemas nas nadadeiras (necrose).

O Betta deve receber ração apropriada para a sua espécie ou terá problemas digestivos. Se notar seu peixe muito parado, sem se alimentar, com nadadeiras "corroídas", pontos brancos ou uma névoa esbranquiçada sobre o corpo, consulte a loja de aquários onde comprou seu Betta. Certamente o aquarista indicará antibióticos ou antifúngicos para serem utilizados na água, dependendo do caso.

Um "remédio natural" muito utilizado pelos aquaristas contra parasitas e fungos é o sal grosso. Algumas pedrinhas colocadas no aquário podem eliminar esses agentes causadores de doenças. É usado como um preventivo. Pode não surtir efeito se a doença já estiver instalada. Nesses casos, é preciso recorrer a medicamentos mais eficientes.

Conhecendo o peixe betta

Leia também:
A escolha do peixe
Colocando o peixe no aquário


Webanimal
www.webanimal.com.br



lado1
pixel

livro

pixel
lado2

Guia de Primeiros Socorros

Diário do Dudu
A volta ao mundo



quem somos | fale com a gente
Webanimal é marca registrada da Realty Informática Ltda.
Proibida a reprodução de artigos sem prévia autorização ©Copyright 1998 - 2014