Cadastre seu e-mail e receba informativos
Menu de artigos

 A chegada do filhote
 A escolha do filhote
 Castração
 Conheça os gatos
 Cuidados básicos
 Dúvidas frequentes
 Escolhendo o gato
 Gato perdido!
 Mordidas de gato
 Onde comprar
 Pelagem
 Posse responsável
 Vacinação
 Viajando com o gato

 Entidades protetoras


Comportamento

 Arranhar/Afiar unhas
 Catnip
 Comer grama
 Convívio com cães


Reprodução

 Acasalamento
 Cio
 Ciclo Reprodutivo
 Desmame do filhote
 Gestação
 Parto


Saúde

 Diagnósticos
 Doenças
 Gatos idosos
 Odontologia
 Parasitas
 Primeiros socorros
 Reprodução
 Tratamentos
 Zoonoses


Menu de serviços

 Achados e perdidos 
 Adoção
 Álbum de Fotos
 Amizades
 Cadastro de Pet Shop
 Cãorreio sentimental
 Doação
 Dogcast
 Histórias
 Página Animal
 Pesquisar estudantes
 Pesquisar veterinários
 TV Webanimal videos





A comunicação do gato
A inteligência do gato

“Olá gatinho, você quer carinho, não quer?”. Quem de nós já não pensou desta maneira enquanto nosso bichano se enroscava por entre nossas pernas esfregando-se de um lado para outro? Ou então: “Nossa gatinho, quanta satisfação!”, enquanto ele ronronava intensamente a medida que recebia nosso carinho? Como proprietários de gatos, certamente fazemos este tipo de interpretação constantemente. Mas será que estamos corretos? Será que os gatos realmente querem nos dizer estas coisas?

Tudo o que se refere ao gato sempre esteve envolto por muito mistério e crenças antigas. Há quem acredite que a capacidade comunicativa do gato seja tão surpreendente chegando a entrar no mundo mágico, onde o gato se comunicaria telepaticamente e até com elementos que não podemos ver. Fantasias a parte, é claro que os gatos se comunicam entre si e com o mundo mas, diferentemente do cão, é muito mais observador e sua comunicação dá-se de forma muito sutil. Mais do que ser visto e ouvido, o gato busca ver e ouvir muito bem. Sempre atento a tudo o que ocorre em seu ambiente, seus movimentos são devidamente calculados. Não esqueçamos, é claro, das frenéticas e explícitas exibições das fêmeas no cio. Estas sim fogem à regra, não são nada sutis!!

Entre os gatos, destaca-se a comunicação dita não verbal, realizada através de sinais auditivos, visuais e olfativos e até do senso tátil. Utilizando-se de deposições odoríferas (esfregamentos, marcação urinária e até arranhaduras), sinais visuais, posturas corporais e vocalizações específicas, os gatos se comunicam com o mundo. Assim, um gato aparentemente solitário pode estar envolvido em frequentes contatos comunicativos com outros indivíduos sem que possamos perceber. Isso é o que ocorre nos encontros noturnos dos gatos de uma mesma vizinhança. Chegam no começo da noite e colocam-se bem próximos uns dos outros. Lá ficam por horas se observando e até se limpando. Pouca hostilidade e rosnados ocasionais. Sabe-se lá o que estão dizendo um ao outro?!?!?!?

Mas a comunicação felina não é só isso. Assim como ocorre com diversas espécies, o gato também apresenta um repertório próprio de sinais comunicativos. Muitos destes sinais são estabelecidos a partir do convívio estreito entre o gato e o proprietário. Por exemplo, quando o gato está com fome e vê suas vasilhas vazias pode emitir alguns miados sem intenção alguma, só porque esta com fome. Mas o dono, ao ver uma cena destas, pode fazer a seguinte interpretação: “ele deve estar com fome e está miando para me comunicar que está querendo comida”. O que o dono faz? Dá comida para o gato. Se isto ocorrer repetidas vezes o gato pode compreender que um miado simples quando faminto pode modificar o comportamento do seu dono, que se sensibiliza e lhe fornece a comida. Logo, mais do que simplesmente lançar “miados ao vento” o bichano aprende que deve direcionar os miados ao dono. Pronto! O sinal está estabelecido. E o dono conclui: “miados próximos a vasilhas vazias significam pedido de comida”!!!!!!!!.

E é assim que muitos sinais comunicativos são estabelecidos. É claro, alguns não são assim, do tipo aprendidos, mas já nascem com o indivíduo e são por isso denominados instintivos. Por exemplo, o ronronar. Pesquisas revelam que os filhotinhos são capazes de ronronar já no segundo dia de vida. O ronronar faz parte do repertório comunicativo e pode ocorrer por diversas razões, desde contentamento e prazer até apavoramento. Muitos gatos ronronam quando estão próximos da morte e, nestes casos, acreditamos que isto seja devido a um estado intenso de ansiedade e euforia. Alguns gatos podem ronronar em contexto de brincadeira com outros gatos demonstrando assim uma relação amigável e a possibilidade de estarem mais próximos. Outros, ronronam quando diante de outro indivíduo, na iminência de uma briga, demonstrando assim submissão e ausência de intenções agressivas.

O que dizer das posturas corporais, são utilizadas pelo gato com propósitos comunicativos?  Provavelmente, sim. À medida que ocorrem constantemente em contextos muito bem definidos e passamos a conhecê-las, podem nos fornecer muita informação a respeito do estado emocional e ate fisiológico do gato. Por exemplo, um gato que balança seu rabo de um lado para outro ou o mantém arqueado ao mesmo tempo que eriça seus pelos procurando parecer maior do que realmente é, certamente está em postura de raiva ou provocação, na iminência de um ataque. O fato é que o gato nem sempre tem a intenção de comunicar algo ao mundo, mas percebe as consequências de suas posturas e passa a usá-las com função comunicativa. A postura e a exibição são inicialmente resultados de seu estado interno de aborrecimento. Outro exemplo é o gato que diante de outro coloca-se rente ao chão e com as orelhas abaixadas procurando não parecer ameaçador. O posicionamento é resultado de seu estado interno de medo ou apreensão constituindo para o outro gato uma atitude submissa.

Portanto, ainda que se comporte de maneira muitas vezes misteriosa, a comunicação do gato é real. É claro que, mais ainda que o cachorro, cada gato é um indivíduo próprio e com temperamentos muito bem definidos. Logo, não é possível pensar em repertórios comunicativos como verdadeiras regras. Eles variam, mas podem sim, guiar nossas atitudes buscando uma maior compreensão do nosso gato e, consequentemente, capacitar-nos para melhor satisfazê-los. Afinal, nosso bichano gosta mesmo é de uma boa mordomia!

Daniela Ramos
médica veterinária especializada em Comportamento Animal pela University of Lincoln (Inglaterra)

Webanimal
www.webanimal.com.br



Livro sobre cães
lado1
pixel

Livro Crônicas para ler com seu cachorro

pixel
lado2
vazio

Guia de Primeiros Socorros

Diário do Dudu
A volta ao mundo




quem somos | fale com a gente
Webanimal é marca registrada da Realty Informática Ltda.
Proibida a reprodução de artigos sem prévia autorização ©Copyright 1998 - 2016