Insuficiência renal: xixi de mais ou de menos...

Todo o líquido que seu animal ingere, assim como acontece no organismo humano, é absorvido e passa para o sangue. Através do sangue, a água passa por dois filtros bastante seletivos, os rins. A função desses órgãos é muito importante, pois são os rins que se encarregam de regular a quantidade de urina formada, liberar toxinas para fora do organismo e reter compostos importantes que não devem ser eliminados (vitaminas, proteínas, etc.). Quando a capacidade de filtragem dos rins apresenta-se alterada, dizemos que o animal está com insuficiência renal.

Quando os "filtros" não estão funcionando bem, o reflexo mais importante é a alteração na quantidade de urina formada. Dependendo do tipo de lesão nos rins, o animal pode parar de urinar ou urinar em grande quantidade e freqüência. Essas alterações, é claro, irão desequilibrar o organismo.

Nas lesões agudas, normalmente causadas por infecções urinárias que atingem os rins, o animal urina pouco ou até mesmo chega a não urinar por um ou vários dias. Quando isso ocorre, as toxinas que deveriam ser liberadas pela urina vão sendo retidas. Intoxicado, o cão passa a ter sintomas gerais como vômitos, inapetência, apatia, etc.. Há outros fatores que podem causar diminuição na quantidade de urina como: cálculos urinários (nesse caso a urina é formada, mas não pode ser eliminada pela obstrução causada pela pedra), desidratação grave, hemorragias severas, etc.. Quando é formada pouca urina, esta se apresenta bastante concentrada, de coloração amarelo forte ou escurecida.

O tratamento consiste em eliminar as toxinas do organismo, administrando medicamentos que "estimulem" os rins. Associado a isso, é preciso combater a causa principal da falta de formação de urina: combater a desidratação ou hemorragia, combater uma possível infecção renal, etc..

No caso de lesões renais crônicas, os rins perdem a capacidade seletiva e permitem que a água, vitaminas e proteínas, tão importantes ao organismo, sejam eliminadas em quantidade. Ao mesmo tempo, permitem que a uréia e a creatinina, compostos tóxicos, seja retidos. O animal passa a urinar a todo o momento, em quantidade exagerada e bebe muita água. Apresenta vômitos, falta de apetite, desidratação e emagrecimento. A anemia ocorre em animais com insuficiência renal crônica, já que os rins produzem fatores que estimulam a formação de sangue pela medula óssea. Outras doenças também podem fazer com que o animal urine muito: diabetes, medicação a base de cortisona por longos períodos, etc..

O tratamento visa restabelecer o equilíbrio orgânico com dieta apropriada, baixa em proteína, suplementos vitamínicos e até anabolizantes, na tentativa de aumentar a capacidade dos rins. Nas lesões crônicas, que muitas vezes se manifestam quando grande parte dos rins já perdeu suas funções, não é possível a recuperação do órgão, mas apenas controle da doença.

O diagnóstico da doença renal é feita através de exames laboratoriais (exames de sangue), radiografias e ultra-sonografia.

O transplante de rins já é feito em animais, porém, não é uma cirurgia rotineira e é necessário haver um doador compatível. A hemodiálise é um tratamento realizado em cães e gatos com bastante sucesso.

É importante ficarmos atentos às alterações significativas no hábito de urinar de nossos animais. Socorrer a tempo é o tratamento mais eficaz.


Silvia C. Parisi
médica veterinária - (CRMV SP 5532)

Webanimal
www.webanimal.com.br

versão para imprimir