/ Criptorquidismo em Cães - Webanimal.com.br
 

 
   

Cadastre seu e-mail e receba informativos


Menu de Artigos

 Guia para iniciantes
 Guia avançado
 Adestramento
 Castração
 Cães de trabalho
 Cães famosos
 Cães pelo mundo
 Campanha anti-caca
 Cinofilia/criação
 Comportamento
 Cuidados gerais
 Dermatologia
 Diagnósticos
 Doenças
 Dogcast (podcast)
 Dúvidas frequentes
 Entidades protetoras
 Fotografia animal
 Gente que faz
 Geriatria
 Legislação
 Medicina Veterinária
 Nutrição
 Odontologia
 Oncologia
 Operação anti-caca
 Parasitas
 Primeiros socorros
 Posse responsável
 Proteção animal
 Raças populares
 Raças interessantes
 Reprodução
 Teste seu Cão
 Tratamentos
 Zoonoses


Menu de Serviços

 Achados e perdidos 
 Adoção
 Álbum de Fotos
 Amizades
 Cadastro de Pet Shop
 Cãorreio sentimental
 Doação
 Dogcast
 Histórias
 Página Animal
 Pesquisar estudantes
 Pesquisar veterinário
 TV Webanimal/Videos



Falta de um testículo

Criptorquidismo em cães

Na entrevista com a especialista em reprodução, Profa. Dra. Silvia E. Crusco, você entenderá um pouco mais sobre uma patologia que afeta muitos cães machos, o criptorquidismo.

O que significa criptorquidismo?
Crisptorquidismo é descida incompleta de um ou ambos os testículos para o escroto (bolsa escrotal).

No caso do testículo não 'descer', onde ele fica localizado? O testículo (ou ambos) pode se localizar no abdome ou no anel inguinal (canal de passagem do testículo, do abdome para a bolsa escrotal).


Presença de apenas 1 testículo na bolsa escrotal

No caso do testículo não 'descer', onde ele fica localizado?
O testículo (ou ambos) pode se localizar no abdome ou no anel inguinal (canal de passagem do testículo, do abdome para a bolsa escrotal).

Quais são as causas do criptorquidismo?
Normalmente é uma doença de origem genética ou fatores não hereditários, como por exemplo, desequilíbrio hormonal. Somente os machos possuem os sintomas, porém as fêmeas podem ser portadoras do gene alterado e transmitir para seus filhotes.

Como é diagnosticado?
Na época de vacinação, ou em consultas de rotina, o médico veterinário identifica o problema através de inspeção visual, palpação ou ultrassonografia.


Ultrassonografia do abdome mostrando testículo retido.

Quais as raças mais afetadas?
As raças mais afetadas (em ordem por risco de incidência) são: Poodle toy, Lulu da Pomerânia, Yorkshire, Teckel miniatura (daschund), Cairn terrrier, Chihuahua, Maltês, Boxer, Pequinês, Bulldogue inglês, Old english sheepdog, Poodle miniatura, Schnauzer miniatura, Shetland sheepdog, Husky siberiano e Poodle standard.

E os cães sem raça definida também correm risco?
Sim, porém bem menor do que os de raça pura.

Com que idade o testículo deve ter descido?
Em condições normais, os testículos dos filhotes descem para o escroto entre o 10º e 42º dia de idade. Nunca deve ultrapassar 6 meses de idade.


Existem tratamento para o criptorquidismo?
Sim, pode ser feito a base de hormônios, orquiopexia (fixação do testículo retido no escroto, feita através de cirurgia) e orquiectomia (castração). O melhor tratamento é a orquiectomia (castração) do cão. Isto devido a duas razões principais: existe um alto risco de incidência de tumores no testículo retido e por outro lado, se ele cruzar (mesmo com um testículo só isto é possível) o problema será, com grandes possibilidades, transmitido para as gerações futuras (filhos, netos, etc.).

Quais os tipos de tumores que podem acometer o testículo retido?
Os tipos histológicos de neoplasia (câncer) mais comuns diagnosticados no testículo retido são o sertolinomas (50%) seguidos de seminomas (33%), teratomas e cistos dermóides.

O que acontece quando o cão apresenta tumor no testículo retido?
O cão cujo testículo retido desenvolver uma neoplasia pode apresentar modificações de comportamento como: hipersexualidade, excitabilidade, irritabilidade e tendência a agressividade. Fertilidade modificada ou diminuída e alto risco de torsão do cordão espermático. Além de todas complicações clínicas e cirúrgicas pela presença do tumor. Como a maioria das neoplasias testiculares, no caso de criptorquidismo, não são malignas, a castração poderá reverter os sinais clínicos.

Leia outros assuntos sobre reprodução


Profa. Dra. Silvia E. Crusco (CRMV-SP 4313)
www.silviacrusco.com
Médica Veterinária - especialista em reprodução

Webanimal
www.webanimal.com.br




Livro sobre cães
lado1
pixel

Livro Crônicas para ler com seu cachorro

pixel
lado2
vazio

Guia de Primeiros Socorros

Diário do Dudu
A volta ao mundo




quem somos | fale com a gente
Webanimal é marca registrada da Realty Informática Ltda.
Proibida a reprodução de artigos sem prévia autorização ©Copyright 1998 - 2016