Cadastre seu e-mail e receba informativos
Menu de Artigos

 Guia para iniciantes
 Guia para o dono
 Adestramento
 Castração
 Cães de trabalho
 Cães famosos
 Cães pelo mundo
 Campanha anti-caca
 Cinofilia/criação
 Comportamento
 Cuidados gerais
 Dermatologia
 Diagnósticos
 Doenças
 Dogcast (podcast)
 Dúvidas frequentes
 Entidades protetoras
 Fotografia animal
 Gente que faz
 Geriatria
 Legislação
 Medicina Veterinária
 Nutrição
 Odontologia
 Oncologia
 Operação anti caca
 Parasitas
 Primeiros socorros
 Posse responsável
 Proteção animal
 Raças populares
 Raças interessantes
 Reprodução
 Teste seu Cão
 Tratamentos
 Zoonoses


Menu de Serviços

 Achados e perdidos 
 Adoção
 Álbum de Fotos
 Amizades
 Cadastro de Pet Shop
 Cãorreio sentimental
 Doação
 Dogcast
 Histórias
 Página Animal
 Pesquisar estudantes
 Pesquisar veterinários
 TV Webanimal videos



Febre maculosa

A febre maculosa é uma zoonose, ou seja, uma doença que pode ser transmitida do animal para o ser humano, unicamente através da picada de carrapatos. A presença desse parasita é obrigatória para que a enfermidade se propague, não sendo possível a transmissão direta de pessoa para pessoa ou de animal para pessoa.

Os animais domésticos (cão, coelho, aves), do campo (bois, vacas, cavalos) e silvestres (capivara, roedores) são reservatórios da doença, causada por uma bactéria chamada Rickettsia rickettsii. Ao picar um animal infectado, o carrapato adquire a bactéria e passa a transmiti-la a todos os indivíduos, pessoas ou animais, que ele picar.

Uma particularidade na transmissão é que o carrapato demora de 4 a 6 horas para infectar o organismo no qual está aderido. Assim, é importante eliminar o mais rápido possível os carrapatos da pele, quando ocorre uma infestação.

Existem vários tipos de carrapatos, mas no caso da febre maculosa, apenas a espécie Amblyomma cajennense, conhecida como "carrapato estrela", "carrapato de cavalo" ou "rodoleiro", e suas larvas e ninfas (carrapatos bem pequenos) chamadas popularmente por "carrapatinhos", "micuins" ou "vermelhinhos", transmitem essa enfermidade.

No homem, os sinais aparecem de 2 a 14 dias após a picada do carrapato infectado. Além da febre alta, um sinal evidente e característico são as machas avermelhadas pelo corpo. Existe tratamento, mas ele deve ser administrado com rapidez para que haja chance de cura.

No cão, uma das únicas espécies animais a demonstrar sinais clínicos da doença, os sintomas podem ser leves e passarem desapercebidos. Alguns cachorros, porém, podem adoecer com sintomas parecidos com os da erlichiose (febre alta, falta de apetite, manchas ou pontos avermelhados pela pele, dentre outros). O tratamento é feito com antibióticos.

É importante salientar que a grande maioria dos animais domésticos não possui a doença e raríssimos carrapatos da espécie Amblyomma estão infectados e poderão transmitir a febre maculosa. A ocorrência da doença no Brasil é bastante esporádica, em áreas rurais, encontrando-se apenas focos em algumas regiões.

Portanto, não há razão para pânico no caso do cão estar infestado por carrapatos. É preciso saber se a região possui focos da doença e, mesmo assim, se o animal tiver a bactéria causadora da febre maculosa, o dono só será contaminado se for picado pelo carrapato que estava no animal. Existem diversos carrapaticidas eficazes no mercado.

O controle de carrapatos é a medida sanitária eficaz para evitar e controlar a febre maculosa. Em nenhuma hipótese o animal suspeito deve ser sacrificado ou abandonado pelos donos.

Conheça outras doenças transmitidas pelos carrapatos aos cães: Babesiose e Erlichiose


Silvia C. Parisi
médica veterinária - (CRMV SP 5532)


Webanimal
www.webanimal.com.br

versão para imprimir





lado1
pixel

livro

pixel
lado2
vazio

Guia de Primeiros Socorros

Diário do Dudu
A volta ao mundo



quem somos | fale com a gente
Webanimal é marca registrada da Realty Informática Ltda.
Proibida a reprodução de artigos sem prévia autorização ©Copyright 1998 - 2014