Cadastre seu e-mail e receba informativos
Menu de Artigos

 Guia para iniciantes
 Guia para o dono
 Adestramento
 Castração
 Cães de trabalho
 Cães famosos
 Cães pelo mundo
 Campanha anti-caca
 Cinofilia/criação
 Comportamento
 Cuidados gerais
 Dermatologia
 Diagnósticos
 Doenças
 Dogcast (podcast)
 Dúvidas frequentes
 Entidades protetoras
 Fotografia animal
 Gente que faz
 Geriatria
 Legislação
 Medicina Veterinária
 Nutrição
 Odontologia
 Oncologia
 Operação anti caca
 Parasitas
 Primeiros socorros
 Posse responsável
 Proteção animal
 Raças populares
 Raças interessantes
 Reprodução
 Teste seu Cão
 Tratamentos
 Zoonoses


Menu de Serviços

 Achados e perdidos 
 Adoção
 Álbum de Fotos
 Amizades
 Cadastro de Pet Shop
 Cãorreio sentimental
 Doação
 Dogcast
 Histórias
 Página Animal
 Pesquisar estudantes
 Pesquisar veterinários
 TV Webanimal videos



Esterilização: vasectomia e laqueadura em animais

Vasectomia e laqueadura

Quando castramos um animal serão retirados os testículos, no macho ou os ovários e útero, na fêmea. Com esse processo, as cadelas e gatas não acasalarão mais, pois o contato sexual com um macho está na dependência de alterações hormonais que ocorrem no cio. Não tendo mais cios, a fêmea não permitirá a aproximação de um cão/gato para o acasalamento. Os machos, após a castração, também não terão o estímulo hormonal para acasalarem, embora alguns cães e gatos, mesmo castrados, possam cruzar com uma fêmea no cio.

Além da castração, exitem outros métodos de esterilização dos animais: a vasectomia (macho) e a laqueadura (fêmea). Nesses casos, os orgãos sexuais não são retirados, mas é feita uma interrupção na passagem dos óvulos, no caso da fêmea ou dos espermatozóides, no caso dos machos. Os animais continuarão acasalando, mas serão inférteis.

A laqueadura e vasectomia seriam bons métodos de controle populacional em animais, porém, existem alguns pontos que desistimulam o seu uso.

Em gatos:
- não evitará que os machos urinem pela casa para demarcar o território e eles continuarão fugindo em busca de fêmeas;
- a cirurgia não pode ser revertida em machos ou fêmeas;
- as gatas continuarão a ter cios após a laqueadura e essa cirurgia não evitará a ocorrência de doenças uterinas na fase adulta do animal.

Em cães:
- o pós operatório da vasectomia pode ser doloroso por processo inflamatório na bolsa escrotal ("saquinho");
- o desejo sexual do macho não diminui, o que continua a ser um problema para animais que não encontram fêmeas para cruzar, têm o hábito de subir nas pernas ou braços dos donos ou urinam pela casa para demarcar território;
- a cirurgia não pode ser revertida em machos ou fêmeas;
- as fêmeas continuarão a ter cios após a laqueadura e a cirurgia não evitará a ocorrência de doenças uterinas e tumores de mama na fase adulta do animal (comuns em cadelas e que podem ser evitados pela castração).

Assim, embora a laqueadura e vasectomia sejam feitas em animais, o uso não é frequente. A castração é o melhor método de esterilização. Lembrando que se o animal for castrado, ele não ficará frustrado ou traumatizado por nunca ter cruzado. O desejo sexual nos animais é estimulado por fatores hormonais e não existe ocomponente psicológico como nos humanos.

Mas para alguns proprietários que possuem um casal de cães ou gatos e se recusam a castrá-los, a laqueadura da fêmea ou vasectomia do macho é um bom método para se evitar ninhadas freqüentes.


Silvia C. Parisi
médica veterinária - (CRMV SP 5532)

Webanimal
www.webanimal.com.br




lado1
pixel

livro

pixel
lado2

Guia de Primeiros Socorros

Diário do Dudu
A volta ao mundo



quem somos | fale com a gente
Webanimal é marca registrada da Realty Informática Ltda.
Proibida a reprodução de artigos sem prévia autorização ©Copyright 1998 - 2014