Cadastre seu e-mail e receba informativos
Menu de Artigos

 Guia para iniciantes
 Guia para o dono
 Adestramento
 Castração
 Cães de trabalho
 Cães famosos
 Cães pelo mundo
 Campanha anti-caca
 Cinofilia/criação
 Comportamento
 Cuidados gerais
 Dermatologia
 Diagnósticos
 Doenças
 Dogcast (podcast)
 Dúvidas frequentes
 Entidades protetoras
 Fotografia animal
 Gente que faz
 Geriatria
 Legislação
 Medicina Veterinária
 Nutrição
 Odontologia
 Oncologia
 Operação anti caca
 Parasitas
 Primeiros socorros
 Posse responsável
 Proteção animal
 Raças populares
 Raças interessantes
 Reprodução
 Teste seu Cão
 Tratamentos
 Zoonoses


Menu de Serviços

 Achados e perdidos 
 Adoção
 Álbum de Fotos
 Amizades
 Cadastro de Pet Shop
 Cãorreio sentimental
 Doação
 Dogcast
 Histórias
 Página Animal
 Pesquisar estudantes
 Pesquisar veterinários
 TV Webanimal videos



Epilepsia em cães e gatos

Epilepsia

Os animais também podem sofrer de epilepsia. Ela é causada por uma descarga elétrica no cérebro que faz com que o animal fique, momentaneamente, sem coordenação ou movimentos voluntários. A epilepsia pode ser de origem genética ou adquirida. Teoricamente, a epilepsia de origem genética aparece mo animal jovem até os 3 anos de idade. Mas isto não é regra geral. A epilepsia adquirida pode ocorrer como sequela de cinomose, traumatismos cranianos (acidentes, pancadas) ou em quadros de intoxicação grave.

Independentemente da sua origem, os ataques (convulsões) podem ter graus variados. Podem ser leves, com o cão apenas salivando (babando) com movimentos desordenados de cabeça, até um ataque com sinais mais evidentes. O cão cai no chão (geralmente de lado), saliva, movimenta as pernas como se estivesse pedalando ou tentando se levantar. O ataque pode levar de segundos a alguns minutos. Podem ocorrer ataques isolados, de causa desconhecida.

O animal deve ficar em observação após um primeiro episódio e só será medicado no caso da convulsão ter sido muito violenta. Mas normalmente ele será observado, e se o ataque se repetir em um curto espaço de tempo, o cão deverá ser medicado com anticonvulsivantes. Isto porque cada ataque irá gerar um outro ainda mais violento, e por um tempo mais prolongado, devido a lesões em áreas cerebrais. Por esse motivo, o cão epilético deverá tomar medicação indefinidamente.

Ter um cão epilético não é um fato raro. Devemos evitar o cruzamento de animais com essa anomalia, para que não haja uma perpetuação da doença. O cão epilético, embora tenha que tomar medicamento por toda a vida, é um cão que pode ter uma existência próxima ao normal. Alguns anticonvulsivantes podem causar um pouco de sonolência ao animal, mas não deve interferir em suas atividades. Os donos apenas devem ter cuidado com residências com piscina, pois não são raros os casos de cães que, ao sofrerem um ataque, caem dentro delas e morrem afogados.

A epilepsia tanto nos humanos como nos animais é uma doença não transmissível ao homem nem a outros cães.


Silvia C. Parisi
médica veterinária - (CRMV SP 5532)

Webanimal
www.webanimal.com.br





lado1
pixel

livro

pixel
lado2
vazio

Guia de Primeiros Socorros

Diário do Dudu
A volta ao mundo



quem somos | fale com a gente
Webanimal é marca registrada da Realty Informática Ltda.
Proibida a reprodução de artigos sem prévia autorização ©Copyright 1998 - 2014