/ Diabete em cães e gatos - Webanimal.com.br
 

 
   

Cadastre seu e-mail e receba informativos


Menu de Artigos

 Guia para iniciantes
 Guia avançado
 Adestramento
 Castração
 Cães de trabalho
 Cães famosos
 Cães pelo mundo
 Campanha anti-caca
 Cinofilia/criação
 Comportamento
 Cuidados gerais
 Dermatologia
 Diagnósticos
 Doenças
 Dogcast (podcast)
 Dúvidas frequentes
 Entidades protetoras
 Fotografia animal
 Gente que faz
 Geriatria
 Legislação
 Medicina Veterinária
 Nutrição
 Odontologia
 Oncologia
 Operação anti-caca
 Parasitas
 Primeiros socorros
 Posse responsável
 Proteção animal
 Raças populares
 Raças interessantes
 Reprodução
 Teste seu Cão
 Tratamentos
 Zoonoses


Menu de Serviços

 Achados e perdidos 
 Adoção
 Álbum de Fotos
 Amizades
 Cadastro de Pet Shop
 Cãorreio sentimental
 Doação
 Dogcast
 Histórias
 Página Animal
 Pesquisar estudantes
 Pesquisar veterinário
 TV Webanimal/Videos



Diabete em animais
Diabete

Cães e gatos também podem ter diabete e isso não é raro acontecer. Muitos cães, em número bem maior do que os gatos, apresentam essa doença. Uma vez diagnosticada, a diabete não deve ser motivo de desespero para os donos. Ela pode ser tratada e controlada. Cães que recebem uma alimentação equilibrada, não são obesos e exercitam-se diariamente têm menos chance de apresentar diabete.

Afinal, o que é diabete?

Em um organismo normal, a insulina produzida pelo pâncres é responsável pela absorção da glicose. Quando esse mecanismo falha, a taxa de glicose no sangue aumenta bastante causando vários sintomas ruins.

Existem dois tipos de diabete: a tipo I, quando o organismo não produz insulina; a tipo II: quando o organismo produz insulina, mas não consegue utilizá-la. Em cães, a diabete tipo I representa quase 100% dos casos, enquanto em gatos 60%.

Quais são os sintomas que a diabete causa?

O animal bebe muita água e urina exageradamente. O apetite aumenta bastante, já que o "centro da fome" não fica saciado.

A glicose é uma fonte de energia. Como ela não está disponível para as células, o organismo passa a utilizar energia de outras fontes: músculos e gordura. O emagrecimento progressivo é outro sintoma da doença, mesmo que o animal coma muito. Pode ocorrer desidratação e vômitos em casos mais graves.

A catarata é mais um sinal que pode indicar diabete. Porém, nem todo animal que apresenta catarata é diabético. Ela pode ter outras causas não relacionadas com a doença.

Quando esses sintomas aparecem, é importante consultar o veterinário para que ele faça a diferenciação entre a diabete e outras doenças que causam sinais parecidos.

O que pode causar diabete?

A causa da diabete é desconhecida, mas ela pode aparecer em animais obesos, aqueles que tiveram alguma doença no pâncreas ou que apresentam doenças auto imunes. A terapia com alguns medicamentos como a cortidona pode elevar a taxa de glicose no sangue. Existe também o fator genético. Um cão diabético pode gerar descendentes com propensão à doença.

Existem raças mais propensas à diabete?

Cães obesos e fêmeas podem apresentar a diabete entre 6 e 9 anos de idade. O risco da diabete é maior em algumas raças como poodle, shnauzer, dachshund e samoieda. A diabete juvenil também pode ocorrer nos cães e observou-se maior incidência em golden retrievers.

Como diagnosticar um animal com diabete?

Pelos sintomas: animais que bebem muita água e urinam muito, comem exageradamente, apresentam obesidade ou emagrecimento progressivo são suspeitos de diabete. Num estágio mais avançado da doença, vômitos e desidratação também aparecem. A diabete pode causar infecções urinárias e problemas de pele crônicos.

Por exames laboratoriais: para comprovar a suspeita de diabete são feitos exames de sangue e urina. Ambos visam detectar o excesso de glicose livre no organismo. Outros exames de sangue complementares também podem ser necessários.

Qual é o tratamento?

O cão pode viver bem com a diabete desde que tratado de forma correta. O cão obeso precisa emagrecer. Deve ter uma dieta controlada, rica em fibras e pobre em gorduras (calorias). Existem rações específicas para cães com diabete. Os petiscos podem ser oferecidos, mas de forma moderada, entre as refeições, e não devem conter açúcares. Exercícios diários e perda de peso nos animais obsesos ajudam a manter os níveis de glicose controlados. Nas fêmeas é necessário fazer a castração, já que alterações nos hormônios durante o cio diminuem a absorção da glicose. O mesmo serve para gatos.

A aplicação de insulina, dependendo do caso, também é usada no tratamento. O proprietário aprende a aplicar esse medicamento e o faz em casa, diariamente. O controle periódico da glicose na urina é necessário. O dono do cão pode fazer isso usando fitas que reagem com a urina. Também é preciso controlar os níveis de glicose no sangue usando aparelhos de medição como nos humanos.

Com o tratamento adequado, os sintomas desaparecem e o animal pode voltar a ter uma vida saudável.

Livro recomendado:

Como cuidar melhor do seu cachorro!

silvia
Silvia Parisi
médica veterinária (CRMV SP 5532)

Webanimal
www.webanimal.com.br




Livro sobre cães
lado1
pixel

Livro Crônicas para ler com seu cachorro

pixel
lado2
vazio

Guia de Primeiros Socorros

Diário do Dudu
A volta ao mundo




quem somos | fale com a gente
Webanimal é marca registrada da Realty Informática Ltda.
Proibida a reprodução de artigos sem prévia autorização ©Copyright 1998 - 2016