/ Imunoterapia para tratar problemas de pele no cão - Webanimal.com.br
 

 
   

Cadastre seu e-mail e receba informativos


Menu de Artigos

 Guia para iniciantes
 Guia avançado
 Adestramento
 Castração
 Cães de trabalho
 Cães famosos
 Cães pelo mundo
 Campanha anti-caca
 Cinofilia/criação
 Comportamento
 Cuidados gerais
 Dermatologia
 Diagnósticos
 Doenças
 Dogcast (podcast)
 Dúvidas frequentes
 Entidades protetoras
 Fotografia animal
 Gente que faz
 Geriatria
 Legislação
 Medicina Veterinária
 Nutrição
 Odontologia
 Oncologia
 Operação anti-caca
 Parasitas
 Primeiros socorros
 Posse responsável
 Proteção animal
 Raças populares
 Raças interessantes
 Reprodução
 Teste seu Cão
 Tratamentos
 Zoonoses


Menu de Serviços

 Achados e perdidos 
 Adoção
 Álbum de Fotos
 Amizades
 Cadastro de Pet Shop
 Cãorreio sentimental
 Doação
 Dogcast
 Histórias
 Página Animal
 Pesquisar estudantes
 Pesquisar veterinário
 TV Webanimal/Videos



Imunoterapia em cães e gatos

Uso da imunoterapia para tratar problemas de pele

Muitos já ouviram falar sobre a revolucionária descoberta da Penicilina por Fleming em 1927, mas poucos sabem que ele foi o primeiro observador da resistência natural dos microorgamismos aos antibióticos. O aumento do fenômeno da resistência reside no fato da existência de genes bacterianos que agem impedindo a ação das drogas. Sem dúvida, o uso clínico de forma indiscriminada dos antimicrobianos, exerce papel selecionador de microrganismos mais resistentes.

Para exemplificar, uma das bactérias isoladas com grande incidência nas doenças de pele dos animais, o Staphylococcus aureus, encontrada nas feridas, mostram atualmente resistência a antibióticos muito conhecidos e utilizados, como a Penicilina G, Ampicilina, Cepalexina e Amoxilina.


Pipe Line, coker spaniel, fêmea, 5 anos: processo infeccioso causado por Staphylococcus aureus. Não respondia ao tratamento com antibióticos.

Os animais tratados, utilizando-se de vários tipos de antibióticos, e que não apresentam cura, perderam a capacidade de defesa imunológica, tornando-se pacientes crônicos. Apresentam sintomas variados como: emagrecimento, prostração, tremores, febre, dor, inchaço nas patas, fístulas ente os dedos que sangram , ulcerações e pústulas (bolhas de pus) com odor fétido, disseminação de feridas pelo corpo, queda de pêlo e descamação da pele .

Como resultado, torna-se impossível a convivência do animal com as pessoas, devido ao odor e secreções. O animal passa a ser segregado, a qualidade de vida é totalmente comprometida, passando por um longo e penoso sofrimento físico e psicológico. A escolha da eutanásia é questionada por parte do Médico-Veterinário e do proprietário do animal, quando todas as tentativas de tratamento fracassam.

Quando tudo que foi tentado não deu resultado, a esperança de cura passa a ser a escolha do tratamento imunoterápico.Tendo como finalidade estimular as defesas do organismo, aumentando os glóbulos brancos (leucócitos) e estimulando a produção de anticorpos, as imunoglobulinas. Podemos escolher vacinas formuladas com várias cepas de bactérias (pool bacteriano padronizado e Parvak), ou optar pela vacinas individuais (bacteria, fungos ou vírus isolados do animal doente).


Pipe Line, quatro meses após o início do tratamento com imunoterapia.

Para a produção da vacina personalizada, é necessário coletar uma amostra de pele e secreções de lesões, com a finalidade de isolar bactérias, fungos ou virus. Após uma série de processos laboratoriais que permitem obter um produto biológico livre de contaminação e totalmente seguro, é adicionado o imunoestimulante Parvak (Propionibacterium parvum).

No geral, as aplicações são feitas semanalmente por um período mínimo de quatro meses. Dependendo da resposta de cada paciente, as próximas aplicações passam a ser quinzenais por mais oito meses. Para o tratamento de manutenção, o paciente recebe a vacina mensalmente por um período indefinido. Como podemos observar, para colhermos os frutos deste tratamento é necessário muito tempo.

O tratamento imunológico pode ser comparado com o desempenho de um atleta, sendo que cada exercício corresponde a uma dose de vacina. Esse tipo de tratamento, na maioria dos animais, apresenta grandes resultados observados a longo prazo, embora alguns demonstrem consideráveis melhoras já nas primeiras semanas de tratamento.

Veja Também:
Leia mais sobre problemas dermatológicos


Roberto Migliano Monteleone
médico veterinário (CRMV SP 1833)
www.clinicaveterinaria.com.br

Webanimal
www.webanimal.com.br




Livro sobre cães
lado1
pixel

Livro Crônicas para ler com seu cachorro

pixel
lado2
vazio

Guia de Primeiros Socorros

Diário do Dudu
A volta ao mundo




quem somos | fale com a gente
Webanimal é marca registrada da Realty Informática Ltda.
Proibida a reprodução de artigos sem prévia autorização ©Copyright 1998 - 2016