Cadastre seu e-mail e receba informativos
Menu de Artigos

 Guia para iniciantes
 Guia para o dono
 Adestramento
 Castração
 Cães de trabalho
 Cães famosos
 Cães pelo mundo
 Campanha anti-caca
 Cinofilia/criação
 Comportamento
 Cuidados gerais
 Dermatologia
 Diagnósticos
 Doenças
 Dogcast (podcast)
 Dúvidas frequentes
 Entidades protetoras
 Fotografia animal
 Gente que faz
 Geriatria
 Legislação
 Medicina Veterinária
 Nutrição
 Odontologia
 Oncologia
 Operação anti caca
 Parasitas
 Primeiros socorros
 Posse responsável
 Proteção animal
 Raças populares
 Raças interessantes
 Reprodução
 Teste seu Cão
 Tratamentos
 Zoonoses


Menu de Serviços

 Achados e perdidos 
 Adoção
 Álbum de Fotos
 Amizades
 Cadastro de Pet Shop
 Cãorreio sentimental
 Doação
 Dogcast
 Histórias
 Página Animal
 Pesquisar estudantes
 Pesquisar veterinários
 TV Webanimal videos



Curiosidades da Vida Animal - Fauna Brasileira

Nesta seção, um pouco da vida selvagem e seus aspectos mais curiosos. Nenhuma espécie mostrada aqui deve ou pode ser criada como um animal de estimação.

Sucuri

1. FICHA DO BICHO:

Nome: Sucuri - verde (Eunectes murinus)
Nomes vulgares: Sucurijuba e Sucurijú (Norte), Sucuri (Sudoeste), Arigbóia (Centro e litoral nordestino), Boiúna, Boiçu (= cobra grande. Nome em que aparece nas lendas e poemas), Boiaçu ou Boiguaçu e Viborão, Sucuriú, Sucurijú ou Boiussú (Amazonas). Também conhecida como a famosa "Anaconda".
Origem do Nome: Da língua Tupi-guarani, que quer dizer "A que morde rápido".
Ordem: Squamata
Família: Boidae (onde encontramos as maiores serpentes do mundo animal)
Gênero: Eunectes
Espécie: E. murinus Existem também outras espécies de sucuris, como a E.notaeus (Sucuri-amarela) e E.deschavensis.


2. COMO É O BICHO?

É a segunda serpente de maior comprimento no mundo, depois de sua prima asiática, a "Piton" (Piton reticulatus). A sucuri não possui glândulas produtoras de veneno, mas em sua boca encontramos fileiras de pequenos dentes pontiagudos que contribuem para não deixar que suas presas fujam. Apresenta colorações e marcas características que variam de indivíduo para indivíduo em áreas geográficas afastadas e de acordo com sua idade. Normalmente sua cor é parda-azeitonada, com duas séries de grandes ocelos negros (manchas arredondadas ou ovaladas), ornadas de tom levemente claro, geralmente tocando-se uma à outra ou também de forma intercalada. Possui uma cabeça grande que difere de seu pescoço. Esta é revestida na parte posterior (de trás) por pequenos escudos irregulares e numerosas escamas pequenas a completam; seus olhos são pequenos e com pupilas verticais (característica de serpentes peçonhentas, juntamente com suas numerosas escamas).

Existe muita discussão para se saber com exatidão o maior comprimento já atingido por uma sucuri. Os valores do réptil, variam de 11 ; 11,20 ; 11,50 ; 14 ; 15 ; e até mesmo o absurdo de 40 metros, 8 toneladas e 80 cm de diâmetro (que teria invadido uma vila no Acre). Mas os comprimentos normais já registrados por muitos pesquisadores, variam de 6 à 11 metros de comprimento, pesando até 400 Kg. Seu tempo de vida é muito longo. A casos de exemplares que viveram em cativeiro durante 30 anos.

Na época reprodutiva a fêmea exala um odor que atrai os machos para seu encontro. O acasalamento é feito após um longo período de jejum. A sucuri é uma espécie ovovivípara, isto é, os filhotes eclodem de seus ovos no interior da barriga de sua mãe e já nascem prontos para desvendar a floresta á procura de alimento. Sua ninhada é geralmente muito grande, e varia de 10 a 70 filhotes a cada gestação, que dura de 225 a 270 dias.

3. ONDE O BICHO VIVE?

A sucuri-verde é encontrada praticamente em todo o Brasil (Amazônia, Brasil central até o estado de São Paulo, com alguns registros no Paraná). Sua distribuição alcança também outros países, como a Venezuela, Paraguai, Argentina, Bolívia, Colômbia, Peru, Equador e Suriname. Habita as florestas e áreas abertas, vivendo nos grandes rios (Bacia do rios Paraguai, Amazonas e etc), lagos, igarapés, várzeas e alagados (igapós).

4. O QUE O BICHO FAZ?

Nossa "gigante amiga" possui hábitos estritamente aquáticos, mas também procura a terra para procurar alimento e/ou para "dar a luz" a seus filhotes. Costuma ter uma maior atividade durante à noite, quando sai à procura de uma de suas variadas presas, preferindo animais de porte pequeno. Compõem seu cardápio, as seguintes presas: peixes; anfíbios; aves palúdicolas (aves que vivem nos charcos e lagoas); lagartos; outras serpentes (como por exemplo, seus filhotes); cágados; jacarés e mamíferos (pacas, cutias, capivaras, porcos-do-mato, filhotes de anta, veados, bezerros, macacos, felinos(a casos de lutas com onças e suçuaranas), etc. Pode ficar sem se alimentar durante meses, sendo que quando se alimenta, a sucuri fica dias, semanas e até alguns meses digerindo o que capturou.

Existiu um exemplar mantido em cativeiro no Museu Emílio Goeldi (Pará), que permaneceu por 19 meses sem ter emagrecido. Nossa serpente não se alimenta de bovinos (bois) adultos, como muitos acreditam, pois ela não conseguiria suportar engolir uma animal de grande porte como o tal. E além, disso seus chifres seriam um problema, não seriam ?

Como muitas outras serpentes, a sucuri é capaz de desarticular os ossos de sua mandíbula para que possa engolir presas maiores que a abertura de sua boca. Para facilitar a ingestão do alimento, ela produz muita salivação que umedece todo o corpo do animal, facilitando também para que ela o possa engolir. As presas depois de envolvidas, pela enorme força de constrição da sucuri, ficam com seu corpo mais longo, fino e deformado.

Existem muitas pessoas que comentam dos ataques a seres humanos, mas grande parte destes casos são fraudes, onde alguns tentam ganhar dinheiro e atenção contando e mostrando fotos para comprovar. Os principais casos de acidentes fatais envolvem um dentista (Acre), índio (MT) e de um pescador (MT). As fotos mostram as sucuris já mortas, e apresentando as "barrigas cheias" (e nunca abertas!) de o que chamam de seres-humanos. Alguns índios entram na cobra, já aberta, deixando parte do corpo para fora para serem fotografados e ganharem "grana" dos turistas. Outra tática é que as vezes, estes seres-humanos, não passam de grandes capivaras e outros mamíferos, influenciando assim, a imaginação das pessoas.

Mas uma sucuri seria capaz de engolir uma pessoa? Sim, seria capaz. Existe grande possibilidade de isto ocorrer, pois animais com pelo menos uns 6 metros de comprimento, teriam boas condições de engolir presas do tamanho de um ser humano. Os casos são raríssimos e além disso as pessoas não fazem parte de seu alimento. Os acidentes envolvendo crianças e recém-nascidos são mais freqüentes.

Foto de acidente Foto de sucuri com pescoço fora da água


Acidente com sucuri

5. CURIOSIDADES DO BICHO:

A sucuri costuma ficar na beira dos grandes rios, a espera de que suas presas cheguem para beber água. E a estratégia utilizada, para que consiga capturar as presas poderosas com sucesso, é agarra-las sempre pela cabeça e em seguida buscar um ponto de apoio(raízes, galhos e troncos) em terra ou até mesmo dentro da água, onde enrola sua cauda para poder estrangular a vítima com as "roscas" e laçadas de sua grande capacidade muscular. Não costumam quebrar os ossos das vítimas, como muitos pensam, para facilitar a ingestão, e sim buscam a constrição (asfixiando-as) para matar suas presas.

Quando molestada, ela se enrodilha, ficando com aparência de um "cone", e colocando sua cabeça entre as grossas voltas de seu corpo.

Uma "curiosidade" do povo mato-grossense para com a sucuri, é que sua pele, quando envolvida em torno da cintura, é utilizada como remédio contra reumatismo e doenças dos rins.

Clique aqui para conhecer outras espécies


Luccas Longo
Biólogo e Professor
www.observaes.blogspot.com/
Especialista em Bioecologia e Conservação - UNIMEP
Mestrado em Recursos Florestais - ESALQ/U

Webanimal
www.webanimal.com.br

versão para imprimir





lado1
pixel

livro

pixel
lado2
vazio

Guia de Primeiros Socorros

Diário do Dudu
A volta ao mundo



quem somos | fale com a gente
Webanimal é marca registrada da Realty Informática Ltda.
Proibida a reprodução de artigos sem prévia autorização ©Copyright 1998 - 2014