Cadastre seu e-mail e receba informativos
Menu de Artigos

 Guia para iniciantes
 Guia para o dono
 Adestramento
 Castração
 Cães de trabalho
 Cães famosos
 Cães pelo mundo
 Campanha anti-caca
 Cinofilia/criação
 Comportamento
 Cuidados gerais
 Dermatologia
 Diagnósticos
 Doenças
 Dogcast (podcast)
 Dúvidas frequentes
 Entidades protetoras
 Fotografia animal
 Gente que faz
 Geriatria
 Legislação
 Medicina Veterinária
 Nutrição
 Odontologia
 Oncologia
 Operação anti caca
 Parasitas
 Primeiros socorros
 Posse responsável
 Proteção animal
 Raças populares
 Raças interessantes
 Reprodução
 Teste seu Cão
 Tratamentos
 Zoonoses


Menu de Serviços

 Achados e perdidos 
 Adoção
 Álbum de Fotos
 Amizades
 Cadastro de Pet Shop
 Cãorreio sentimental
 Doação
 Dogcast
 Histórias
 Página Animal
 Pesquisar estudantes
 Pesquisar veterinários
 TV Webanimal videos



Periquito-do-encontro-amarelo

Curiosidades da Vida Animal
"Os bichos da cidade"

Nesta seção, um pouco da vida selvagem e seus aspectos mais curiosos. Nenhuma espécie mostrada aqui deve ou pode ser criada como um animal de estimação.

Periquito-do-encontro-amarelo

1. Ficha do bicho:

Nomes vulgares: Periquito-do-encontro-amarelo; Periquito-de-asa-amarela; Periquito-de-asas-amarelas; Periquito-estrela; Cotorra-de-las-amarillas (Espanha); Canary-winged-parakeet ou Yellow-chevroned-parakeet (EUA).
Nome científico: Brotogeris versicolorus chiriri (Vieillot, 1818)
Origem do Nome:"Periquito", origina-se do espanhol, periquillo. O termo designa aves da família dos Psittacidae (Psitacídeos).
Ordem: Aves
Família: Psittacidae (Psitacídeos)
Sub-gamília: Psittacinae
Gênero:
Brotogeris spp.
Espécie
: Brotogeris versicolorus chiriri (Vieillot, 1818). É uma subespécie do B. versicolorus (P.L.S. Muller, 1776), que pode ser encontrada também, como o nome de Psittacus versicolorus (Muller, 1776). Existem outras espécies como por exemplo, a B. chrysopterus (Tuipara-de-asa-laranja); B. sanctithomae (Tuipara-estrelinha); B. versicolorus (Periquito-de-asa-branca); B. viridissimus (Periquito-verde); B. tirica (Periquito-rei) entre outras.

2. Como ele é?

O periquito-do-encontro-amarelo, como o próprio nome diz, apresenta como característica principal, uma faixa amarela nas coberteiras superiores das rêmiges secundárias de cada asa, isto é, na região superior das asas. Apresenta também, uma coloração amarelo-esverdeada em sua face.


Asas abertas

Os indivíduos adultos medem de 22,0 a 23,5 centímetros de comprimento. Sua cauda, 10 cm e suas asas, cerca de 12,5 cm. Possui um bico resistente e de cor branco-amarronzada, pelo qual parte sementes, frutos e flores. Ao redor de seus olhos escuros, existe uma delimitação branca, formada apenas pela pele.

Apresenta uma difícil diferenciação sexual. Costumam botar cerca de 5 ovos, sendo estes brancos e com dimensões de 23 x 19 mm. Após 26 dias, a fêmea conclui a incubação, nascendo assim seus filhotes. Estes são alimentados pelos pais com sementes e frutos regurgitados mesmo após o abandono do ninho, que é feito, 8 semanas após o nascimento.

3. O que ele faz?

Alimentam-se de frutos, sementes, flores e néctar das diversas espécies vegetais encontradas nas grandes cidades e em maioria, nas áreas naturais.
Já foram vistos ninhos em cavidades feitas em colônias de cupins arborícolas, como já foi dito anteriormente. Esta informação sugere a grande capacidade de adaptação desta ave a ambientes diferenciados. Desloca-se em bandos, muitas vezes de muitos indivíduos, formando-se assim verdadeiras "esquadrilhas verdes".

4. Onde podemos encontrá-lo?

Brasil Central e Oriental, Norte, Oeste e Sul da Bolívia, Nordeste da Argentina (Chaco, Formosa e Misiones), Leste do Paraguai, Uruguai e Peru. No território nacional, ocorre desde o Sul ao extremo do Pará (Serra do Cachimbo), Ceará, Maranhão, Bahia, Minas Gerais, Pantanal, Rio de Janeiro e São Paulo. Estas aves podem ser encontradas em campos de vegetação baixa, ilhas de matas intercaladas, matas ciliares e cerradões.

No ambiente urbano, são encontradas em parques e áreas abertas. É uma das aves símbolo da cidade de São Paulo. Sendo muito comum, observar seus bandos, voando sobre os prédios e árvores da grande metrópole.

5. O que ele tem de interessante?

A característica principal deste periquito é o tipo de vocalização que emite, ou seja, o " tchiri", " tchiri-ri". No Parque do Ibirapuera, em São Paulo, estes podem ser vistos, em seus ninhos, se alimentando e voando em bandos de muitos indivíduos. Já foram observados bandos mistos com a espécie B. versicolorus, o que sugere possíveis cruzamentos, que dando origem a novas variedades.

Uma curiosidade importante é a elaboração do ninho, que pode ser realizado em cavidades de árvores, telhas de edificações e até mesmo em ninhos escavados em cupinzeiros arborícolas.


Tráfico da espécie

Uma das explicações para sua grande presença nos centros urbanos é a intensa alteração ambiental que suas áreas naturais sofreram, levando-os muitas vezes a percorrer grandes distâncias de sua área natural de distribuição. Um segundo aspecto, é o referente a sua introdução na cidade. Sabe-se que em muitas regiões, o tráfico (Fig.3) desta e de muitas outras espécies ocorre de maneira descontrolada, podendo desta forma, ter ocasionado a fuga de exemplares ao ambiente e sua posterior adaptação.

No litoral paulista, existem indivíduos de coloração azul, que são confundidos como sendo de outra espécie. Porém, o que se sabe é que a Brotogeris versicolorus chiririi, pode sofrer uma mutação rara, que modifica sua coloração verde das penas, para a azul.

Fonte: www.thermaspark.com · www.brothogeris.com · www.papegaai.org · www.maybank.tripod.com · www.mascotesamigos.com.br · www.natureali.com/ID.htm · www.ib.usp.br · www.lib.montana.edu · www.biota.org.br · www.aultimabarcadenoe.com.htm · www.ornitologia.br · www2.correioweb.com.Br · www.animaldiversity.ummz.umich.edu · www.argel.hpg.ig.com.br · www.secretgardenaviaries · FORSHAW, J.M.. Parrots of the World. T.F.H. Publicatios. Neptune - New Jersey, 1977 · DUBS, B.. Birds of Southwestern Brazil. Betrona - Verlag. Kusnacht - Switzerland, 1992 · DE OLIVEIRA, A. M. M.. Lista de Aves da Cidade de São Paulo. 2002 · FRISCH, D.. Aves Brasileiras. Vol.1, 1930 · PINTO, O. M. O.. · SOUZA, D.. Todas as Aves do Brasil. · HARPER, D.. Pet Birds - for home and garden. Salamandra Book, 1996 · HOFLING, E.. Aves no Campus.

Clique aqui para conhecer outras espécies


Luccas Longo
Biólogo e Professor
www.observaes.blogspot.com/
Especialista em Bioecologia e Conservação - UNIMEP
Mestrado em Recursos Florestais - ESALQ/U

Webanimal
www.webanimal.com.br

versão para imprimir





lado1
pixel

livro

pixel
lado2
vazio

Guia de Primeiros Socorros

Diário do Dudu
A volta ao mundo



quem somos | fale com a gente
Webanimal é marca registrada da Realty Informática Ltda.
Proibida a reprodução de artigos sem prévia autorização ©Copyright 1998 - 2014