Cadastre seu e-mail e receba informativos
Menu de Artigos

 Guia para iniciantes
 Guia para o dono
 Adestramento
 Castração
 Cães de trabalho
 Cães famosos
 Cães pelo mundo
 Campanha anti-caca
 Cinofilia/criação
 Comportamento
 Cuidados gerais
 Dermatologia
 Diagnósticos
 Doenças
 Dogcast (podcast)
 Dúvidas frequentes
 Entidades protetoras
 Fotografia animal
 Gente que faz
 Geriatria
 Legislação
 Medicina Veterinária
 Nutrição
 Odontologia
 Oncologia
 Operação anti caca
 Parasitas
 Primeiros socorros
 Posse responsável
 Proteção animal
 Raças populares
 Raças interessantes
 Reprodução
 Teste seu Cão
 Tratamentos
 Zoonoses


Menu de Serviços

 Achados e perdidos 
 Adoção
 Álbum de Fotos
 Amizades
 Cadastro de Pet Shop
 Cãorreio sentimental
 Doação
 Dogcast
 Histórias
 Página Animal
 Pesquisar estudantes
 Pesquisar veterinários
 TV Webanimal videos



Curiosidades da Vida Animal - Fauna Brasileira

Nesta seção, um pouco da vida selvagem e seus aspectos mais curiosos. Nenhuma espécie mostrada aqui deve ou pode ser criada como um animal de estimação.

Jequitiranabóia

1. FICHA DO BICHO:

Nomes vulgares: Jequitiranabóia, jequiranabóia, jetiranumbóia, jitiranabóia, jiquitiranabóia, tirambóia, jaquiranabóia, cobra-voadora, cobra-do-ar (Norte do BR), cobra-de-asa (Norte do Brasil) e em inglês, Alligator - Headed Lantern Fly.
Nome científico: Fulgora lanternaria (L., 1758)
Origem do Nome:Descende do tupi-guarani, onde iakirána = "cigarra" e mbóia = "cobra". Portanto a definição indígena corresponde a "cobra " e Jequiranabóia, a pronúncia original indígena.
Ordem: Hemiptera
Subordem: Auchenorryncha
Família: Fulgoridae (Fulgorídeos)
Gênero: Fulgora
Espécie
: F.lanternaria ( L. , 1758).

2. COMO É O BICHO?

É um inseto homóptero (parente da cigarra) e inofensivo que apresenta características que dão origem a crendices. Possui uma cabeça intumescida (forma de fava de amendoim) e quitinizada (quitina = proteína resistente) cuja forma vista de lado, lembra a cabeça de um réptil (cobra ou jacaré), com falsos dentes. Apresenta também um tubérculo perto da base semelhante a um grande par de olhos. Estes de fato se acham ao lado e junto deles há um fio sobre um pequeno tubérculo, o que representa sua antena.


Vista lateral semelhante à cabeça de um réptil

Suas asas são amarelo-sujas, pontilhadas de pardo e preto. As asas posteriores possuem grandes ocelos, lembrando grandes olhos, como nas borboletas-coruja (Caligo ilineus). Medem ao todo de 6 a 7 cm de comprimento com o dobro de envergadura.


Asas abertas mostrando os ocelos

Raramente ultrapassam os 10 cm de comprimento. Quando estão de asas fechadas (Fig.3), a aparência na qual são associados às crendices, se evidência.


Adulto de asas fechadas

Como são parentes das cigarras, sua reprodução pode ser similar. Isto é, de seus ovos eclodem larvas que passam todo seu estádio característico sob a terra (fase subterrânea) sugando raízes, e quando estas já estão prontas para a metamorfose, saem de seus abrigos subterrâneos e sobem nas vegetações para saírem de sua forma larvária, formando a "crisálida" e desta, a fase adulta.

3. O QUE O BICHO FAZ?

Gosta muito de voar depois do crepúsculo, sobre as florestas tropicais. Portanto é um animal de hábitos noturnos. Nas cidades, é atraída pela luminosidade das ruas, como outros insetos. Quando pousados, têm o hábito curioso de andar de lado e para trás.

Os inimigos naturais da Fulgora lanternaria, não são muitos. As aves (garças, corujas etc), mamíferos (primatas e carnívoros), répteis (serpentes e lagartos) e anfíbios (sapos). Em outros países os Fulgorídeos são parasitados pelas larvas de vespas e também por lagartas que vivem de forma parasitária sobre alguns insetos, alimentando-se de suas secreções. Este hábito concorreu para o desenvolvimento de sistemas de controle biológico, para combater as espécies pragas.

Alimenta-se do néctar de frutas e seiva de vegetais, retirados por sucção através de seu apêndice bucal.

4. ONDE O BICHO VIVE?

Esta espécie é muito comum na América do Sul, em grande parte no território brasileiro. Pode também ser encontrada nos países da América Central, como na Venezuela, Colômbia e Peru. Vive nas florestas tropicais.

Existem exemplares de outras famílias, que podem ser encontradas em outras regiões do mundo, como por exemplo, o caso da Saccharivora sp. (Antilhas), Saccharosydne sp. (Hawaí), Liburnia furcifera (Japão) e outras da Malásia e Bornéu. Nestes territórios algumas espécies são consideradas grandes pragas agrícolas (arroz, milho, cana-de-açúcar etc), causando grandes danos para a agricultura local. Como é o caso das Antilhas, considerada praga agrícola ataca a cultura da cana-de-açúcar e no Japão, a espécie ataca o arroz.

5. CURIOSIDADES DO BICHO:

São considerados os exemplos mais significativos do folclore brasileiro. Começaremos a relatar sua característica marcante: a cabeça.

A possível bioluminescência é um fato muito marcante. Como o próprio nome foi batizado na época, "lanternaria" (lanterna). Mas alguns cientistas dizem que este fenômeno origina-se de bactérias fotogênicas que se desenvolvem sobre a cabeça dos exemplares. Porém, não possuo uma confirmação.

Muitas aldeias indígenas e comunidades próximas o temem, e desta forma acabaram disseminando por muito tempo o folclore do jequitiranabóia. Segunda a lenda Jequi, caso pouse em uma pessoa ou sobre um galho, este secará completamente e definhará até a morte. Isto se deve ao fato de os animais, algumas vezes, serem encontrados em troncos secos, acreditando-se que ao sugar sua seiva, levou a morte o órgão vegetal. Mas o leitor não deve se assustar com estas falsas crenças, pois o jequitiranabóia é um inseto inofensivo e incapaz de "secar" pessoas ou outros animais e até mesmo vegetais de grande porte. O que ocorre na verdade é que de fato já foi relatado, são seus hábitos alimentares (suga seivas e o néctar de frutas), só ocorrendo algum dano, ao vegetal, se o número de insetos for muito grande em planta já debilitada.


Exemplo das falsas crenças

É considerado também um animal venenosissímo, pelo fato de se assemelhar a uma serpente. No ano de 1833, foi descrito como sendo: ".. há, porém entre todas mais perigosa e terrível, a jaquiranambóia". Esta observação por mais improvável que seja, é muito acreditada ainda pelas pessoas que vivem nas zonas distantes das cidades e próximas a florestas. Mas também não devemos inferiorizar e ignorar estas, pelo fato de acreditarem ou não nestas crenças, pois isto faz parte de nossa múltipla cultura e que não pode ser apagada de nossa história.

O jequitiranabóia antigamente, era visto com grande freqüência no interior das pequenas cidades, principalmente as do interior do Estado de São Paulo. Mas atualmente estas observações são muito difíceis de serem feitas, pois esta e muitas outras espécies acabaram se confinando em determinadas regiões. Este confinamento é prova de que o devastamento, a caça predatória (tráfico de animais) e a poluição estão a cada dia mais intensas, extinguindo a biodiversidade de nossa tão rica fauna e flora.


Obra para colecionadores
(caça predatória)

Clique aqui para conhecer outras espécies


Luccas Longo
Biólogo e Professor
www.observaes.blogspot.com/
Especialista em Bioecologia e Conservação - UNIMEP
Mestrado em Recursos Florestais - ESALQ/U

Webanimal
www.webanimal.com.br

versão para imprimir




lado1
pixel

livro

pixel
lado2

Guia de Primeiros Socorros

Diário do Dudu
A volta ao mundo



quem somos | fale com a gente
Webanimal é marca registrada da Realty Informática Ltda.
Proibida a reprodução de artigos sem prévia autorização ©Copyright 1998 - 2014