Cadastre seu e-mail e receba informativos
Menu de Artigos

 Guia para iniciantes
 Guia para o dono
 Adestramento
 Castração
 Cães de trabalho
 Cães famosos
 Cães pelo mundo
 Campanha anti-caca
 Cinofilia/criação
 Comportamento
 Cuidados gerais
 Dermatologia
 Diagnósticos
 Doenças
 Dogcast (podcast)
 Dúvidas frequentes
 Entidades protetoras
 Fotografia animal
 Gente que faz
 Geriatria
 Legislação
 Medicina Veterinária
 Nutrição
 Odontologia
 Oncologia
 Operação anti caca
 Parasitas
 Primeiros socorros
 Posse responsável
 Proteção animal
 Raças populares
 Raças interessantes
 Reprodução
 Teste seu Cão
 Tratamentos
 Zoonoses


Menu de Serviços

 Achados e perdidos 
 Adoção
 Álbum de Fotos
 Amizades
 Cadastro de Pet Shop
 Cãorreio sentimental
 Doação
 Dogcast
 Histórias
 Página Animal
 Pesquisar estudantes
 Pesquisar veterinários
 TV Webanimal videos



Curiosidades da Vida Animal - Fauna Brasileira

Nesta seção, um pouco da vida selvagem e seus aspectos mais curiosos. Nenhuma espécie mostrada aqui deve ou pode ser criada como um animal de estimação.

SAPO CURURU

1. Ficha do bicho:

Nomes vulgares: Sapo-cururu; sapo-cururu-grande; sapo-comum; "cane toad"; "giant toad" etc.
Nome científico: Bufo marinus (Linnaeus, 1758).
Origem do Nome: Origina-se do tupi-guarani, onde "Kururú" é a designação popular dada aos grandes sapos do gênero Bufo, sendo a espécie B. marinus a mais comum no Brasil. Seu nome varia dependendo da região, por exemplo: no nordeste é conhecido como "cururu" e já no Amazonas como "xué".
Ordem: Anura (Anuros)
Família: Bufonidae
Gênero: Bufo. Neste gênero existem catalogadas mais de 150 espécies de sapos distribuídas em todo o mundo. Espécie: Bufo marinus.

Outras espécies: B.alvarius (sapo-do-rio-colorado); B.typhonius; B.crucifer; B.ictericus; B.granulosus; B.ocellatus; B.rufus; B.paracnemis e B.paracnemis Lutz (sapo-boi).

2. Como ele é?

Antes de descrevermos as peculiaridades de nosso amigo, devemos primeiro entender a palavra "sapo". Os "sapos" são batráquios desdentados, terrícolas das famílias dos Bufonídeos (Bufonidae) e Pipídeos (Pipidae).

O sapo-cururu é considerado um gigante entre os anfíbios, podendo atingir de 10 até a proporção de 25 centímetros de comprimento. Mas é encontrado comumente medindo de 10 a 15 cm. As diferenças entre macho e fêmea (dimorfismo sexual) são determinadas pela coloração (ss machos possuem cor amarela-pardacenta uniforme e as fêmeas, cor sépia quase completamente confluentes em cada lado da linha mediana) e pelo comprimento (machos:12,5 cm, fêmeas:25 cm).

Não apresenta pálpebras inferiores, mas sim uma membrana móvel chamada de membrana nictitante. Sua boca se abre em larga fenda e é munida de uma língua em forma de fita, que pode ser projetada a uma distância considerável (30 a 40 cm) para que possa capturar suas presas. Seus olhos são grandes e o auxiliam a deglutir sua comida, pois quando o fecham fazem com que estes contribuam para "empurrar" seus cardápios.

A existência de verrugas é uma característica principal desta espécie. Possui atrás de seus olhos grandes glândulas parótidas que secretam uma substância leitosa (antipredatória) com muitas toxinas prejudiciais a diversos animais (Fig.3). O efeito do veneno é principalmente cardiotóxico. Seus componentes podem ser classificados segundo sua toxicodinâmica como: a adrenalina; noradrenalina; bufotenina e bufotionina, que possui efeitos alucinógenos atuando diretamente no sistema nervoso central (SNC); entre outras como a digitalina que serve de tônico cardíaco para muitos medicamentos.

Os sinais de sintoma observados na intoxicação aparecem imediatamente após o contato. Os acidentes são comuns entre cães, pois quando notam o anfíbio, se interessam e muitas vezes, por brincadeira, acabam mordendo o sapo e entrando em contato com a secreção tóxica eliminada para sua proteção. Os sintomas variam desde uma irritação local e até mesmo provocar sinais sistêmicos, o que leva muitos cães à morte.

Como todos os anfíbios necessitam do meio aquático para se reproduzir, o sapo-cururu não segue o contrário, pois também procria na água e pode chegar a migrar até 1,5 Km em busca de um local adequado (margem de lagos, pântanos e poças d'água) para se reproduzir.


Cordões com ovos fertilizados

A reprodução é externa e a fertilização dos ovos ocorre através do "abraço nupcial" (cópula) à medida que os ovos são expelidos pela fêmea. A desova costuma ocorrer durante a primavera. Os ovos (de 600 a 32.000 de acordo com a espécie) são colocados no ambiente aquático agrupados em dois longos cordões, protegidos por uma substância gelatinosa (albumina), que chegam atingir dimensões de 8 m de comprimento. Os girinos nascem em poucos dias e levam de um a três meses pra se tornarem adultos. Primariamente surgem os membros posteriores e depois os anteriores. A fase finaliza com a queda da cauda.

3. O que ele faz?

Possui hábitos terrestres e noturnos. É encontrado nos micro-hábitats: solo (onde faz o forrageio) e margem de poças permanentes e temporárias (onde costuma procriar e realizar suas vocalizações). Nos dias de chuva costuma frequentar descampados.

Seu canto é considerado o de maior amplitude entre os anuros, podendo atingir 600 htz (hertz). Como é um predador voraz, apresenta um cardápio que varia, de artrópodes (como os quilópodes; diplópodes; besouros; ortópteros; hemípteros e larvas de lepidópteros) até cobras pequenas e filhotes de rato.

Sua utilidade é apreciada devido seu grande poder de controlar pragas agrícolas. O governo de Cuba, por exemplo, através da Estação Experimental de Santiago de Las Vegas, importou anos atrás um grande número deles e os distribuiu entre os lavradores para disseminá-los nas plantações de cana-de-açúcar e com isso controlar espécies de pragas que prejudicavam esta cultura.

Verificou-se também em Porto Rico o aparecimento de um besouro daninho, de hábitos noturnos, cujas larvas se localizam nas raízes da cana-de-açúcar, matando as plantas rapidamente. Diversos produtos químicos foram aplicados sem resultado. Porém quando introduziram estes anfíbios, a situação mudou, pois os sapos começaram a se alimentar dos besouros e desta forma acabaram controlando a praga.

Devido a este potencial é um grande auxiliador do agricultor, principalmente para o horticultor. Devo ressaltar que a introdução da espécie quando não planejada, pode causar mais prejuízos do que benefícios. Exemplares de B.marinus foram introduzidos na Austrália indevidamente o que causou a aniquilação de espécies não visadas em algumas áreas.

Descansam preguiçosamente achatados, sua postura peculiar é esparramar os braços para os lados do corpo e as mãos voltadas para dentro. Permanecem em uma toca durante o inverno e a estação seca. Locomove-se aos pulos, mas podem também marchar (como que engatilhando).

4. Onde ele vive?

Pode ser encontrado em áreas de clima tropical e temperado úmido. É originário da América do Sul e do Norte. Portanto, sua distribuição vai do extremo do Texas (EUA), para o México e América Central, para o norte da América do Sul (Brasil, Bolívia, Equador e Peru).

No Brasil é abundante em todas as regiões. Foi introduzido em várias regiões (Antilhas, Havaí, Filipinas, Nova Guiné, Austrália e muitas ilhas do Pacífico). Habita ambientes abertos, florestas primárias e secundárias. Pode também ser encontrado em áreas urbanas (vilas e cidades).

5. O que ele tem de interessante?

A principal curiosidade do sapo-cururu que detalharei a seguir deve ser melhor compreendida e explicada, pois é importante o conhecermos para desta forma não taxá-lo como sendo apenas um animal nocivo ao ambiente.

O sapo-cururu é responsável por acidentes que acometem não somente alguns animais domésticos como os cães (principais vítimas), mas também os humanos. Muitas pessoas, principalmente as que vivem na zona rurais, costumam caracterizar este animal pelo fato de conseguir projetar seu veneno quando ameaçado. O resultado comentado é sempre a morte ou a cegueira.

Mas a verdadeira história não é bem essa, pois o B. marinus não conseguiria projetar seu veneno a uma grande distância, a ponto de alcançar os olhos da vítima. E, além disso, a ação da substância nociva quando em contato com os olhos, não causa cegueira, mas sim uma grande irritação local o que de fato pode prejudicar temporariamente a visão.

Os cães podem se intoxicar quando abocanham ou ingerem partes do sapo (contato direto do veneno com as mucosas oral ou ocular). A absorção do veneno é feita através dos ferimentos pré-existentes nas mucosas. Pode ocorrer também de o animal acabar se alimentando de sapos mortos ou secos, o que também causará uma intoxicação.

Outra lenda é o fato de seu veneno causar o aparecimento de verrugas na pele dos "atacados" e de sua urina ser também venenosa, o que não confere com os estudos e observações realizadas por biólogos e médicos. Um fato curioso é a aplicação do veneno cáustico e irritante sobre a pele de papagaios, no interior da Bahia, a fim de lhe modificarem a coloração da plumagem que do verde-claro passará ao "amarelo-gema-de-ovo". Com isso os comerciantes poderão vendê-los com alegação de serem de espécies mais apreciadas.

O sapo-cururu foi muito caçado antigamente devido ao alto preço dos produtos fabricados nas indústrias de calçados, cintos, bolsas e outros artefatos de luxo, através da utilização de sua pele. Atualmente é perseguido por ser alvo de brincadeiras que sempre levam à sua morte.

O número de espécies de anfíbios vem diminuindo gradativamente, devido a sua alta sensibilidade à poluição da água e do ar. Sendo, portanto considerados excelentes indicadores biológicos de áreas degradadas.

Clique aqui para conhecer outras espécies


Luccas Longo
Biólogo e Professor
www.observaes.blogspot.com/
Especialista em Bioecologia e Conservação - UNIMEP
Mestrado em Recursos Florestais - ESALQ/U

Webanimal
www.webanimal.com.br

versão para imprimir




lado1
pixel

livro

pixel
lado2

Guia de Primeiros Socorros

Diário do Dudu
A volta ao mundo



quem somos | fale com a gente
Webanimal é marca registrada da Realty Informática Ltda.
Proibida a reprodução de artigos sem prévia autorização ©Copyright 1998 - 2014