Cadastre seu e-mail e receba informativos
Menu de Artigos

 Guia para iniciantes
 Guia para o dono
 Adestramento
 Castração
 Cães de trabalho
 Cães famosos
 Cães pelo mundo
 Campanha anti-caca
 Cinofilia/criação
 Comportamento
 Cuidados gerais
 Dermatologia
 Diagnósticos
 Doenças
 Dogcast (podcast)
 Dúvidas frequentes
 Entidades protetoras
 Fotografia animal
 Gente que faz
 Geriatria
 Legislação
 Medicina Veterinária
 Nutrição
 Odontologia
 Oncologia
 Operação anti caca
 Parasitas
 Primeiros socorros
 Posse responsável
 Proteção animal
 Raças populares
 Raças interessantes
 Reprodução
 Teste seu Cão
 Tratamentos
 Zoonoses


Menu de Serviços

 Achados e perdidos 
 Adoção
 Álbum de Fotos
 Amizades
 Cadastro de Pet Shop
 Cãorreio sentimental
 Doação
 Dogcast
 Histórias
 Página Animal
 Pesquisar estudantes
 Pesquisar veterinários
 TV Webanimal videos



Cuidados básicos com os cães

Guia de cuidados com cães

A seguir, algumas orientações básicas sobre os cuidados com os cães como alimentação,banhos, cuidados com a pelagem etc. Considere que existem variações na conduta dos veterinários, portanto, use esse guia apenas como base. O veterinário que trata seu cão e o conhece é quem melhor pode orientar sobre os cuidados com ele.

Alimentação


Filhotes a partir de 45 dias de idade: ração para filhotes certamente é a melhor opção. Existem muitos tipos (secas ou úmidas), sabores (carne, frango, carneiro, fígado etc.) e marcas no mercado. Na primeira consulta, o veterinário recomendará o tipo de ração que você deverá fornecer ao filhote. A quantidade de ração a ser dada varia com a raça e o peso do animal. Os fabricantes de ração, na própria embalagem do produto, fazem a recomendação da quantidade ideal.

Mesmo que o filhote rejeite a ração, insista. Não fique tentando oferecer outro tipo de alimento como carne e arroz, isso só vai piorar. Misture ração úmida, em latinha ou sachê, junto com a ração seca para torná-la mais atrativa.

Há pessoas que não querem alimentar seus cães com rações. Nesse caso, é preciso solicitar ao veterinário uma dieta balanceada e complementos de cálcio de vitaminas. O que não pode é dar comida de gente para o cachorro. Isso causará diarreias, obesidade e até intoxicações.

Cães a partir de 1 ano de idade: ração para cães adultos: seca ou úmida, 2 vezes ao dia. Você pode misturar ração seca com ração úmida, seguindo a proporção indicada pelo fabricante. O cão que não come ração industrializada, também deve ser alimentado duas vezes ao dia.

Dicas:
 
Os filhotes comem 3 a 4 vezes ao dia quando pequenos;
 
Os filhotes passam a comer menos à medida que vão crescendo; assim, reduza o número de refeições gradativamente. O adulto (a partir de 1 ano) come 2 vezes ao dia;
 
A ração para filhotes pode ser dada até 12 meses de idade ou um pouco mais. A partir de então, ofereça ração para cães adultos. A mudança entre elas deve ser gradativa.
O excesso de alimentação causa obesidade e inúmeros problemas ao animal como diarreias;
 
Restos de comida, doces, massas e tudo o que não for prescrito pelo veterinário deve ser evitado, mesmo que o cão goste ou queira comer. O cão que "pede" comida da mesa dos donos deve ser repreendido ou retirado do local das refeições familiares;
 
Mudanças alimentares devem ser feitas gradativamente ou o animal poderá apresentar diarreia;
 Cães de raças grandes devem ser alimentados 2 vezes ao dia quando adultos, nunca uma vez apenas. Isto evita que ele coma grandes quantidades de alimento de uma vez e venha a ter uma
torção do estômago.

Saiba a diferença entre os diversos tipos de ração: clique aqui


Livro recomendado:

Como escolher e cuidar de um cão!


Cálcio e vitaminas

O filhote que não recebe uma alimentação balanceada necessita de complementação de cálcio e vitaminas no primeiro ano de vida, época de crescimento muito acelerado. A falta de cálcio nessa fase causará o raquitismo. No entanto, cães que se alimentam exclusivamente de ração balanceada, de boa qualidade, podem ter as necessidades de cálcio supridas, desde que se alimentem corretamente, na quantidade indicada pelo fabricante da ração.

De qualquer forma, o veterinário que acompanhará o crescimento do cão deverá analisar o caso, o tipo de alimentação e a necessidade de cálcio e vitaminas para o animal.

Dentição

A troca de dentes se inicia com 3,5 meses de idade e termina aos 6 meses. O cão também pode ter tártaro, o que provoca o mau-hálito e a perda precoce dos dentes permanentes. A cárie também ocorre em animais que recebem alimentos doces com frequência. Existem serviços odontológicos especializados para cuidar dos dentes do seu cão.

A higiene da boca do cachorro pode ser feita através de escovação. Existem escovas e pastas dentais para cães. A escovação deve ser feita 2 a 3 vezes por semana, no mínimo. Embora seja o método ideal, nem todos os cães aceitam e muitos donos não conseguem manter a frequência de escovação. A escova também pode ser substituída por um chumaço de algodão esfregado nos dentes do animal.

Pedaços de cenoura crua devem ser oferecidos entre as refeições para que o cão seja estimulado a roer, assim como ossos artificiais (couro) ou naturais (joelho de boi). Quanto aos brinquedos de couro, se o cão engolir pedados grandes, porque é afoito em roer, evite dá-los ao cachorro. O ato de roer é a escovação natural do cão, mas muitas vezes somente ela não impede o acúmulo de tártaro e o mau-hálito. Conheça um pouco dos problemas odontológicos no cão.

 Banhos

A partir de 45 dias de idade, o banho pode ser dado com sabão de côco e xampu neutro não inseticida (anti pulgas). Existem shampoos para cada tipo de pelagem (clara, escura, 2 em 1), assim como shampoos antialérgicos e para tratamento dermatológico (exemplo: seborreia, micoses). Raças de pelagem longa podem fazer uso de condicionadores da linha para animais para desembaraçar a pelagem.

Caso o filhote tenha pulgas dar banhos com sabonete de enxofre. Nunca dê banhos contra pulgas utilizando produtos inseticidas em filhote com menos de 6 meses. Consulte seu veterinário quanto a tratamentos com produtos anti pulgas à venda em pet shops. Banhar o animal com água morna e colocar algodão nos ouvidos para evitar a entrada de água. (clique aqui e aprenda a dar banho no seu animal)

 Cuidados com a pelagem

Escove diariamente o animal para a retirada de pelos mortos e poeira, e verificar a presença de parasitas (pulgas, carrapatos etc.). Raças de pelagem longa são tosados pela primeira vez aos 3 ou 4 meses. Depois, periodicamente (a cada 2 meses). Mantenha o pelo curto no verão para evitar pulgas. Veja também, problemas dermatológicos no cão.

Cios


As fêmeas entram no cio entre 8 meses a 1 ano de idade, variando com a raça e o tamanho do animal. O cio dura em torno de 15 dias e é acompanhado de sangramento (de leve a moderado) e aumento perceptível da região genital. Algumas fêmeas não apresentam sangramento ("cio seco"). A castração é um método muito eficaz de controle de natalidade, quando o dono não pretende cruzar a cadela. Castrada, a cadela não tem mais cios. Antes de torcer o nariz ao ouvir a palavra castração, leia mais sobre o assunto e entenda como ela é vantajosa para as fêmeas.

O macho não tem cio e torna-se apto à reprodução a partir de 1 ano. Ele pode começar a ter manifestações sexuais a partir de 3 meses de idade, principalmente quando sentir o cheiro de uma fêmea no cio. A castração também é feita no macho para evitar que ele comece a demarcar território, urinando pela casa, e não fuja atrás de fêmeas.

Vermifugação:

A mãe pode transmitir vermes aos filhotes, tanto pela placenta como pelo aleitamento. Vermifugar a fêmea antes do acasalamento é uma medida preventiva para que os filhotes nasçam livres de vermes. Todos os filhotes devem ser vermifugados no seguinte esquema:

- 30 dias de idade:
1a. dose de vermífugo
- 45 dias de idade:
2a. dose de vermífugo
- 60 dias de idade:
3a. dose de vermífugo

Recomenda-se exame de fezes logo que o animal chega para a pesquisa de protozoários, microrganismos bem menores do que os vermes que não são atingidos pelos vermífugos, é preciso medicamentos específicos. O veterinário irá prescrever o vermífugo para o seu cão. Animais adultos devem ser vermifugados com frequência, principalmente antes das vacinas anuais. Conheça os vermes que podem afetar seu cão: clique aqui

Existem áreas em que é comum o "verme do coração" (dirofilariose). Informe-se com o seu veterinário para iniciar um tratamento de prevenção da dirofilariose.

Vacinação

É, sem dúvida, o cuidado mais importante tanto para o filhote como para o cão adulto. Os animais devem ser imunizados antes de começarem a frequentar as ruas. Existem muitas doenças virais que podem acometer os cães e são causadoras de um grande número de mortes, principalmente nos filhotes.

Para ser vacinado, o animal deve estar saudável, sem febre ou diarreia, e previamente vermifugado. Se isso não for observado, pode ocorrer falha vacinal, ou seja, o organismo não responder plenamente à vacinação e o animal continua a correr risco.

As vacinas que seu cão deve receber e intervalos entre as doses devem ficar a critério do veterinário que irá cuidar de seu animal. As vacinas múltipla (V8 ou V10) e antirrábica são obrigatórias em qualquer esquema de vacinação. Abaixo, um calendário para a vacinação de filhotes, com principais vacinas que seu cão precisa tomar:

- 45 a 60 dias:

1a. dose vacina múltipla*
1a. dose vacina contra Giardia
vacina contra a Tosse dos canis

- 21 dias após a 1a. dose: 2a. dose vacina múltipla
2a. dose vacina contra Giardia
- 21 dias após a 2a. dose: 3a. dose vacina múltipla
- a partir de 4 meses de idade: antirrábica
Este quadro mostra todas as vacinas disponíveis no mercado. Cabe ao veterinário decidir o melhor esquema para cada animal. As vacinas múltipla e a antirrábica, no entanto, são obrigatórias.

*protege o animal da cinomose, hepatite, parvovirose, 4 tipos de leptospirose, coronavirose, parainfluenza e laringotraqueíte.

Cães adultos que nunca foram vacinados ou filhotes que já passaram da época de vacinação devem receber 2 doses de vacina múltipla (intervalo de 21 dias entre elas) e 1 dose de vacina antirrábica. Isso também vale para cães de procedência desconhecida, quando não se tem conhecimento ou certeza sobre o histórico de vacinação.

Além dessas vacinas, existe a imunização contra a leishmaniose ou calazar, uma importante zoonose (doença que pode ser transmitida ao homem pelo animal). Essa vacina é aplicada em regiões onde a doença é comum e deve ser precedida de exames para detectar se o cão já tem a doença. Com relação a essa vacina, embora ela exista, o governo brasileiro ora libera seu uso, ora proibe. Por isso, informe-se melhor com o seu veterinário.

Não se deve vacinar filhotes com menos de 45 dias de idade, a menos que a cadela nunca tenha sido vacinada, pois as vacinas podem ser inativadas pelos anticorpos passados da mãe para a cria.

Clique aqui para saber como escolher a melhor vacina para seu animal.

REFORÇO ANUAL DE TODAS AS VACINAS!

 

silvia
Silvia Parisi
médica veterinária (CRMV SP 5532)


Webanimal
www.webanimal.com.br





lado1
pixel

livro

pixel
lado2
vazio

Guia de Primeiros Socorros

Diário do Dudu
A volta ao mundo



quem somos | fale com a gente
Webanimal é marca registrada da Realty Informática Ltda.
Proibida a reprodução de artigos sem prévia autorização ©Copyright 1998 - 2015