Cadastre seu e-mail e receba informativos
Menu de Artigos

 Guia para iniciantes
 Guia para o dono
 Adestramento
 Castração
 Cães de trabalho
 Cães famosos
 Cães pelo mundo
 Campanha anti-caca
 Cinofilia/criação
 Comportamento
 Cuidados gerais
 Dermatologia
 Diagnósticos
 Doenças
 Dogcast (podcast)
 Dúvidas frequentes
 Entidades protetoras
 Fotografia animal
 Gente que faz
 Geriatria
 Legislação
 Medicina Veterinária
 Nutrição
 Odontologia
 Oncologia
 Operação anti caca
 Parasitas
 Primeiros socorros
 Posse responsável
 Proteção animal
 Raças populares
 Raças interessantes
 Reprodução
 Teste seu Cão
 Tratamentos
 Zoonoses


Menu de Serviços

 Achados e perdidos 
 Adoção
 Álbum de Fotos
 Amizades
 Cadastro de Pet Shop
 Cãorreio sentimental
 Doação
 Dogcast
 Histórias
 Página Animal
 Pesquisar estudantes
 Pesquisar veterinários
 TV Webanimal videos



Dúvidas sobre problemas comportamentais

Conheça alguns casos de comportamentos inconvenientes dos cães e como solucioná-los. Orientações da especialista em comportamento canino, Sheila Niski.

Eu tenho três cães raça boxer com 11 meses. Os três e estão cavando buracos no quintal e estragando o gramado. Gostaria de saber porque estão fazendo isso todos os dias e como resolver.

Cães cavam porque são cães... Escondem comida, ossinhos, brinquedos, brincam na terra, se deitam na terra mexida para se refrescar, enfim, motivos não faltam. Mas vou dar uma dica que funciona muito bem.

Pegue o cocô deles e coloque no próximo buraco que você encontrar. Tampe o buraco com a terra. Acabou !!! Eles odeiam dar de cara com o “presentinho”.

Minha Labrador 8 meses entrou no cio e está uivando todas as noites. Há um macho que mora na casa ao lado. Gostaria de saber por que ela está fazendo isso, pois terei problemas com os vizinhos.

A linguagem canina, assim como a dos lobos, é bem complexa. Usam a linguagem corporal e oral. As fêmeas usam o uivo para atrair os machos. Não temos como evitar isso. Seria como você bater o martelo no dedo e TER que conter o grito de dor. É instintivo, ela nunca aprendeu, mas na memória genética dela, esse é o comportamento esperado. Você pode pedir para alguém ficar com ela nesse período, ou deixá-la em algum hotel, ou qualquer lugar que ela fique longe do macho.

Tenho um cão pastor belga mestiço com comportamento dominante desde que chegou. Sempre foi difícil levá-lo ao passeio. À medida que ele crescia a dificuldade aumentava. Hoje, até levá-lo ao veterinário é um suplício. Ele morde as pessoas na rua ou o braço de quem impede dele chegar ao alvo. Aulas de adestramento adiantariam? O que fazer?

Se ele tem esse comportamento desde que chegou, você deveria ter procurado ajuda logo. Quanto mais demorado, mais difícil o tratamento. A primeira coisa a fazer é castrá-lo. Fale com o veterinário sobre isso. Ele pára de produzir testosterona, o hormônio responsável pela agressividade entre outras coisas.

Alimentação não pode ficar disponível o tempo todo. Dê nos horários das refeições e tire depois de 20 minutos (independente dele ter comido ou não). Deixe-o sempre com guia dentro de casa, assim vocês podem controlar o cachorro sem correr risco. Carinho e passeio só depois de comando (senta). Brinquedos ficam restritos, afinal, vocês são os verdadeiros donos dos brinquedos, então vocês só dão quando ele se comportar.

O mais correto é você pegar um adestrador que entenda de comportamento e esteja sempre presente nas aulas.

Possuo três cadelas e uma delas, quando está no cio, fica insuportável. As outras cadelas não podem nem pensar em chegar perto dela, até para mim ela rosna. Além disso, passa a urinar pela casa, levantando a pata como o macho. Fora do cio ela é uma cachorra tranqüila, brinca como se fosse criança com as outras cachorras... Por que ela faz isso?

São as mudanças hormonais, assim como as mulheres na TPM. Eu simplesmente a castraria, assim ela não teria mais esses problemas. Talvez ela se sinta tão incomodada - ou mesmo com dor - quando está no cio, que ela apenas se protege batendo nas outras. O ideal seria castrar as três, mas se só uma fica nesse estado, pelo menos ela deve ser castrada.

Meu cão, um dachshund de quase 02 anos, sempre foi "chatinho", ele late pra todo mundo, mas sem ser agressivo. De uns dias para cá ele passou a atacar meu filho de 13 anos, mas só quando o menino encosta o rosto perto dele, se for carinho com as maos, tudo bem, mas não pode chegar o rosto que ele tenta morder. Como resolver o problema?

Aos dois anos ele se sente no direito de desafiar seu filho, já que ele já é um adulto e seu filho é adolescente. Temos que mostrar a ele que seu filho manda. A primeira coisa seria castrar o cachorro, esse costume finalmente está sendo mais aceito no Brasil. Ele vai parar de produzir testosterona e diminuir a agressividade.

Deixe o seu filho dar a comida dele - NUNCA DEIXE COMIDA O TEMPO TODO DISPONÍVEL - mas faça com que seu filho coma antes. Se for o caso, ele finge que tá comendo a ração e depois dá para o cachorro. Vocês vão estar passando para ele a mensagem de que seu filho come antes porque ele é o líder. Não faça tanto carinho nele e, nas brincadeiras, sempre vocês começam e terminam, nunca ele.

Tenho um poodle de 6 anos e ele tem verdadeiro pavor de passear dentro de qualquer tipo de carro. Se tentamos colocá-lo dentro do veículo para tal passeio, ele dá o maior escândalo, latindo e tentando sair desesperadamente. Me ajude.

Você precisa primeiro descobrir porque ele tem tanto medo. A causa mais comum é que normalmente os passeios de carro têm como objetivo algo que o cachorro não gosta muito, ou seja, ele vai para o veterinário, ou hotel e se separa da família, ou é apenas mal-estar. Se ele vomita fale como veterinário.

Se for apenas medo faça assim: Leve ele para o carro com petiscos e brinquedos. Não ligue o carro, deixe ele se acostumar e vá dando os petiscos e brincando, fazendo carinho, deixe ele à vontade no carro. Faça isso aos poucos se ele for muito assustado, um minuto só, depois dois, até ele se acostumar. Quando ele estiver indo para o carro sem esforço, você pode ligar o automóvel e, se ele não reagir, dê uma voltinha no quarteirão. Vá aumentando o trajeto até ele acostumar. Nesse meio tempo, comece a levá-lo para passeios gostosos de carro, como ir para a praça, parque, ou apenas sair de carro e depois dar uma voltinha a pé, para depois voltar de carro.

Meu cachorro, um pastor branco com 04 meses, quando defeca passa a se sujar com as fezes, obrigando a banhos diários. Como resolver isso?

O cachorro faz isso para disfarçar seu cheiro tanto das presas quanto dos predadores. É uma reação normal que alguns cachorros ainda conservam na sua memória genética. O ideal é limpar o local logo que ele defeca. Muitas vezes isso não é possível, mas estejam atentos para, quando o virem fazendo isso, dar uma bronca na hora. A bronca deve ser dada com voz rouca, grave, sem gritar. E, de preferência, não deixem ele ver o local sendo limpo.

Tenho um cão extremamente mimado e estou pensando em ter um filho. Tenho muitos medos em relação à isto. Será que o cachorro ficará agressivo? Vai adoecer? Vai machucar o bebê de verdade?

Para tudo dar certo temos que seguir algumas regras. A primeira e mais importante: Não mudar a rotina do cachorro depois que o bebê nascer. Ou seja, se ele vai parar de dormir na cama com vocês quando nascer o bebê, tire ele agora, desde já. Qualquer mudança na rotina do cachorro é motivo de stress, então não deixe ele associar a chegada do bebê com as mudanças.

Acostume-o com movimentação nova, ou seja, comece a andar com uma boneca no colo - em posição de bebê - e não deixe ele machucar a boneca, deixe o carrinho na sala - e de vez em quando coloque um petisco na parte de baixo - para ele não estranhar. Enfim, vá pensando nas situações novas e torne-as presentes.

No dia do nascimento, peça para seu marido levar a mantinha usada pelo bebê para casa, deixe o cão cheirar - sem morder, nem brincar - e faça carinho nele. Acostume-o a ter carinho quando o cheiro do bebê estiver presente.

Ao voltar para casa, deixe uma terceira pessoa carregar o bebê, pois você vai estar aproximadamente 3 dias longe do seu cão, e voltar com o bebê no colo não é legal para ele. Deixe ele cheirar o pezinho, faça festa. Não brigue com o cão na presença do bebê. Associe o bebê a tudo de legal para o animal, carinho, petiscos, passeios.

Tenho uma collie de oito anos, ela sempre faz xixi na cama dela, desde que era filhote, ou as vezes faz xixi também na cama do macho. Você, como especialista em comportamento animal, poderia explicar?

Os motivos podem ser vários, mas se nesse tempo todo vocês não mostraram para ela que isso é errado, fica difícil ela aprender. Talvez ela só esteja marcando território, mas o importante é que ela ainda não entendeu que isso é errado. Uma Collie quer sempre agradar ao dono, é cão de trabalho, então, não pense que é birra dela.

Ganhei um Sharpei com 6 meses de idade e ele não quer saber de comer a ração no comedouro. Ele só come se a ração for deixada no chão. Outra coisa, ele fica fora de casa (local coberto) e achei que uma caminha seria o suficiente para ele dormir. Mas me dei mal, pois quando coloco a caminha no chão, ele simplesmente brinca com ela de chacoalhar e aparentemente usa para "namorar". Você tem alguma sugestão ?

Ele é castrado ? Se não for, castre enquanto ele ainda é bebê, pois esse comportamento é típico de um filhote dominante. O Sharpei já é dominante por natureza. Enquanto isso, tire a caminha dele. Não tem problema nenhum.

Quanto a comida, coloque no prato de ração e deixe por 20 minutos. Se ele não comer, apenas tire, sem falar nada, e só devolva na próxima refeição. O cachorro é um animal de caça, com organismo preparado para ficar até uma semana sem comer. Dificilmente ele vai passar o segundo dia sem comida, mas tem que ser consciente, não adianta jogar "um pouquinho só" no chão. Ele tem que ficar com fome mesmo.

Estamos um pouco preocupados com nosso cão, uma boxer fêmea que vai completar 01 ano. Não estamos entendendo por que ela está brigando com a vasilha de comida e ficando tão agitada e latindo muito, nós só mudamos a ração dela misturando a júnior/filhote com a de adulto.

Ela está na adolescência, revendo seus limites e testando os donos. Provavelmente ela fez isso uma vez e conseguiu atenção exagerada prá ela. Pode ter sido engraçado e vocês riram, podem ter dado uma bronca exagerada (ela gosta da bronca mais do que da indiferença), ou qualquer postura corportal que vocês tenham passado para ela no momento. Você tem aquelas vasilhas pesadas? Com a minha Boxer funcionou, troquei por uma vasilha de alumínio com cimento, bem pesada, e ela parou.

Quanto a agitação, será que vocês estão fazendo exercício suficiente com ela? Ela tem que passear, brincar, correr. Nessa fase o Boxer dá uma crescida, uma encorpada, e precisa fazer muito exercício. Mas para isso ela tem que ser estimulada, não adianta ficar no quintal ou jardim da casa.

Tenho uma Fox Paulistinha de 2 meses. Ela morde tudo (brincando), nossas mãos, pés, pernas, braços, qualquer coisa que encoste nela e como seus dentinhos são muito pontudos vivo arranhada e machucada. O que eu faço para ela parar de morder? Se brigo, ela nem escuta e se dou um tapinha no focinho ela acha que é mais brincadeira e morde mais.

Essa idade ela ainda está com os dentes de leite, que realmente coçam. Mas se vocês permitirem esse comportamento ela vai achar que morder é certo.

Para ela, morder é gostoso, afinal, a mão se mexe, às vezes grita, funciona como uma "presa". Vamos fazer com que morder não seja mais tão gostoso. Quando ela morder sua mão, empurre a língua dela - como o pediatra fazia com a gente - até ela sentir uma ânsia. Junto com isso você diz "NÃO MORDE". Quando ela empurrar sua mão (ou dedo) você tira a mão e pode até oferecer um petisco ou brinquedo.

Se isso não der certo, cada vez que ela morder você pára de brincar e a deixa. Levante, saia do local, faça qualquer coisa, mas ignore-a. Isso vai exigir repetições, mas depois de algum tempo dá certo.

Gostaria de saber qual a causa da agitação dos cães durante a tosa e o que posso fazer para acalmá-los, tenho tido bastante trabalho para conseguir tosar as patas e os genitais.

Se você conseguir deixar alguém dando um petisco para eles aos poucos, como um 'bifinho', enquanto você tosa, pode ser que dê certo. Mas essa reação é a mais normal, os cães não gostam da tosa no geral.

Os cães que passam pelo processo de inseminação artificial, sofrem algum tipo de efeito colateral psicológico, por não terem acasalado para a procriação. Será que eles tratam os filhotes da mesma maneira?

Nunca ouvi falar de cadelas rejeitarem seus filhotes por terem sido cria de inseminação artificial. Inclusive algumas raças só conseguem procriar assim, como o Bulldogue Inglês, que pelo tamanho e peso não consegue acasalar da maneira convencional. O que pode levar uma cadela a rejeitar a cria é a imaturidade dela ou os bebês nascerem com alguma doença. Nesse caso ela rejeita o mais fraco para tentar cuidar dos mais fortes.


Sheila Niski
Treinadora especializada em comportamento canino



Webanimal

www.webanimal.com.br

versão para imprimir





lado1
pixel

livro

pixel
lado2
vazio

Guia de Primeiros Socorros

Diário do Dudu
A volta ao mundo



quem somos | fale com a gente
Webanimal é marca registrada da Realty Informática Ltda.
Proibida a reprodução de artigos sem prévia autorização ©Copyright 1998 - 2014