Cadastre seu e-mail e receba informativos
Menu de Artigos

 Guia para iniciantes
 Guia para o dono
 Adestramento
 Castração
 Cães de trabalho
 Cães famosos
 Cães pelo mundo
 Campanha anti-caca
 Cinofilia/criação
 Comportamento
 Cuidados gerais
 Dermatologia
 Diagnósticos
 Doenças
 Dogcast (podcast)
 Dúvidas frequentes
 Entidades protetoras
 Fotografia animal
 Gente que faz
 Geriatria
 Legislação
 Medicina Veterinária
 Nutrição
 Odontologia
 Oncologia
 Operação anti caca
 Parasitas
 Primeiros socorros
 Posse responsável
 Proteção animal
 Raças populares
 Raças interessantes
 Reprodução
 Teste seu Cão
 Tratamentos
 Zoonoses


Menu de Serviços

 Achados e perdidos 
 Adoção
 Álbum de Fotos
 Amizades
 Cadastro de Pet Shop
 Cãorreio sentimental
 Doação
 Dogcast
 Histórias
 Página Animal
 Pesquisar estudantes
 Pesquisar veterinários
 TV Webanimal videos



Cão de Guarda - como criar

Como criar um cão de guarda

Ter um cão de guarda pode representar mais segurança para quem mora em uma casa. Residências com cachorros sofrem menos tentativas de assalto do que aquelas que não os possuem. No entanto, ter um cão de guarda requer conhecimento. A falta de informação ou inexperiência dos proprietários ocasiona a criação inadequada dos cães que, ao invés de guardar o dono, tornam-se um perigo para as pessoas que convivem com eles e para a comunidade.

A seguir, algumas dicas importantes para quem quer ter um cão de guarda.

A escolha da raça

Infelizmente, muitas raças de cães de guarda foram perdendo suas características originais, em razão de cruzamentos errados e não controlados. Por esse motivo, encontramos cães excessivamente bravos e, o que é bastante comum, cães medrosos que não se prestam à finalidade. Assim, para escolher o cão ideal, é importante conhecer um pouco do padrão da raça (clique aqui) e buscar um canil idôneo que selecione animais de temperamento bem definido para os acasalamentos.


Mike - rottweiler

As raças comumente usadas para guarda são: pastor alemão ou belga, doberman, rottweiler, fila brasileiro, mastim napolitano, mastiff, dogue brasileiro, cane corso e outras.

Há raças que não possuem instinto de guarda, no entanto, podem assustar pelo tamanho (ex.: dogue alemão e são bernardo), aparência (ex.: boxer e husky siberiano) e até pela valentia e temperamento de alarme (fox paulistinha e muitos vira-latas). Não se pode esperar desses cães o comportamento de um cão de guarda, mas se o interessado desejar apenas um 'efeito moral', podem ser uma opção. Certamente, um pouco arriscada para assegurar a guarda da residência, mas uma saída para algumas situações, como medo de criar cães bravios, crianças muito pequenas em casa, etc..

Outro aspecto importante é conhecer eventuais problemas genéticos que possam afetar a raça. Os rottweilers e pastores alemães, por exemplo, podem ser acometidos de displasia coxofemural. Daí ser importante exigir do criador exames negativos dos pais do filhote para essa doença.

As raças de pelagem curta e pouco espessa não se adaptam bem em locais com invernos rigorosos. O doberman é um exemplo disso. Cães de pelagem longa, por outro lado, necessitam de cuidados, como escovação diária.

Para escolher um filhote saudável, clique aqui e veja muitas dicas.

O local

Apartamentos não são locais ideais para se criar cães de grande porte, principalmente os de guarda. Parece óbvio, mas alguns cometem esse erro. O cão preserva o seu território e vai considerar as áreas comuns do edifício como tal. Assim, compartilhar os elevadores com outros moradores e funcionários será um problema, pois o cão poderá atacar. Isso sem falar na falta de espaço que estressará o cão e o tornará facilmente irritável.

Quem dispõe de uma casa com uma área pequena para manter o animal deve pensar duas vezes. Os cães precisam de espaço e exercício. Também é um erro construir um canil e deixar o cão preso o dia todo. Para ter um cão de guarda, é preciso espaço suficiente para que ele possa se exercitar e tempo para levá-lo para passear.

A criação

Morder é uma atitude natural de todo filhote, na maioria das vezes para brincar. O cachorro de guarda, especialmente, deve ser desestimulado a fazer isso. Esse hábito se tornará um problema quando o cão for maior, por motivos óbvios. Quando o filhote começar a morder, diga 'NÃO' bem firme e, caso ele insista, diga 'NÃO' novamente, segurando-o pela pele atrás do pescoço, e deixe-o preso por alguns minutos. Não provoque o cachorro com panos, não o irrite para que ele morda. Ensine-o comandos básicos, pois obediência é a característica mais importante e desejável quando se possui um cão. Há vários livros que mostram como ensinar comandos ao filhote.

O cão JAMAIS pode rosnar para o dono. Isso significa que ele quer 'mandar no pedaço'. Em se tratando de uma raça de guarda, é possível imaginar o desastre que será se o cão achar que pode fazer o que quer. Na primeira rosnada, segure o focinho do cão ou contenha-o pela pele atrás do pescoço e diga NÃO! Essa é uma palavra que ele deve entender desde o primeiro dia que chegar em sua casa.

Manipule o cãozinho frequentemente, mexa nas orelhas, abra sua boca, segure suas patas e olhe entre os dedos, pegue sua vasilha de comida e escove seus pelos. Com isso, ele se acostumará com essas práticas e não estranhará quando for adulto.

O adestramento

Ele começa desde o primeiro dia, com a ajuda de bons livros de adestramento. Para aqueles que não são tão experientes, é possível contratar adestradores profissionais, quando o filhote tiver 6 meses. Mas nesse caso, a responsabilidade do dono na educação do cão não pode ser inteiramente passada para o treinador. O adestrador deve ensinar o cão a atender comandos e o dono a comandar. Somente um trabalho conjunto dará resultado. Ou então, o cão obedecerá apenas ao adestrador e todo o investimento será em vão.

Cães de guarda, a menos que sejam utilizados em empresas de segurança, pela polícia militar ou pessoas experientes, não devem receber outro adestramento além da obediência básica. Treinar o cão para o ataque (chamado por alguns treinadores de 'treinamento de defesa') é como entregar uma arma carregada a uma criança. Pessoas que não têm experiência com cães de guarda, não conseguirão controlar seus cães, caso eles ataquem.

Quanto à questão da morte de cães de guarda, provocada pela ingestão de venenos jogados por assaltantes, existe adestramento para isso, porém, apenas alguns cachorros conseguem resistir a um pedaço de carne lançado.

Socialização

Infelizmente, ainda existem pessoas que pensam que o bom cão de guarda é aquele que morde e ataca tudo que vê... E para conseguir um cão assim, prendem o animal em correntes ou canis, sem contato com pessoas de fora, pois assim 'ele fica bravo'. Animais criados dessa forma são aqueles que, quando escapam, atacam e matam pessoas nas ruas ou causam mutilações nas vítimas. Os acidentes falam por si só. É o resultado de cães não socializados, descontrolados e/ou estimulados a atacar.

O cão de guarda foi selecionado geneticamente para guardar seu território e seu dono, por isso, não é preciso 'deixá-lo bravo' com o isolamento. Naturalmente, o instinto de guarda aparecerá com 1 ou 2 anos de idade. É preciso passear com o cão e submetê-lo a vários estímulos externos (sons, pessoas que ele não conhece, bicicletas e carros passando, etc..) para que ele saiba discernir quando deve atacar, ou seja, reconhecer uma situação estranha a seu dia a dia. Uma pessoa pulando o muro, um estranho entrando na casa, uma atitude de violência contra o dono, são motivos para um ataque e não uma situação corriqueira.

Precauções contra acidentes

Durante os passeios, mantenha o cão sempre preso à guia. A focinheira deve ser usada por cachorros, grandes ou pequenos, que costumam avançar em pessoas ou outros animais nas ruas. Em algumas cidades, há exigência da lei para o uso desse acessório.

Prenda SEMPRE seu cão de guarda quando for sair ou entrar com seu carro da garagem.

Coloque placas advertindo que a residência possui cão de guarda.

Tenha certeza que os muros de sua casa sejam de altura suficiente para conter o cão.

O bom cão de guarda é um animal controlado, que sabe andar na rua e não ataca por qualquer motivo. O bom dono é aquele que tem a responsabilidade de criar um bom cão de guarda e mantê-lo sob seu controle com segurança. Aqueles que desejam ter uma 'fera' em casa, não devem comprar um cão de guarda.


Silvia C. Parisi
médica veterinária - (CRMV SP 5532)

Webanimal
www.webanimal.com.br




lado1
pixel

livro

pixel
lado2

Guia de Primeiros Socorros

Diário do Dudu
A volta ao mundo



quem somos | fale com a gente
Webanimal é marca registrada da Realty Informática Ltda.
Proibida a reprodução de artigos sem prévia autorização ©Copyright 1998 - 2014