/ Picada de cobra em cão e gato - Webanimal.com.br
 

 
   

Cadastre seu e-mail e receba informativos
Menu de Artigos

 Guia para iniciantes
 Guia para o dono
 Adestramento
 Castração
 Cães de trabalho
 Cães famosos
 Cães pelo mundo
 Campanha anti-caca
 Cinofilia/criação
 Comportamento
 Cuidados gerais
 Dermatologia
 Diagnósticos
 Doenças
 Dogcast (podcast)
 Dúvidas frequentes
 Entidades protetoras
 Fotografia animal
 Gente que faz
 Geriatria
 Legislação
 Medicina Veterinária
 Nutrição
 Odontologia
 Oncologia
 Operação anti caca
 Parasitas
 Primeiros socorros
 Posse responsável
 Proteção animal
 Raças populares
 Raças interessantes
 Reprodução
 Teste seu Cão
 Tratamentos
 Zoonoses


Menu de Serviços

 Achados e perdidos 
 Adoção
 Álbum de Fotos
 Amizades
 Cadastro de Pet Shop
 Cãorreio sentimental
 Doação
 Dogcast
 Histórias
 Página Animal
 Pesquisar estudantes
 Pesquisar veterinários
 TV Webanimal videos



Acidentes ofídicos

Picadas de Cobra

Se você mora ou frequenta sítios e fazendas, deve estar preparado para um acidente que não é raro acontecer em animais domésticos: as picadas de cobras. No Brasil, existem 70 tipos de cobras venenosas, mas apenas algumas têm importância no caso de acidentes ofídicos. São elas: a cascavel, a jararaca, a surucucu e a cobra coral.

Instituto Butantan, em S. Paulo, é reconhecido internacionalmente por seu trabalho de pesquisa com animais peçonhentos (que possuem algum tipo de toxina).

Segundo o Butantan, acidentes com jararaca são responsáveis por 90,5% dos casos de picadas de cobras no Brasil, seguido de cascavel (7,7%), surucucu (1,4%) e coral (0,4%).

Os cães são picados na região do focinho e pescoço, na maioria dos casos. É bom lembrar que a cobra não ataca um animal gratuitamente, mas apenas quando é molestada. Como os cachorros são animais curiosos e gostam de farejar e caçar tudo que encontram, certamente a cobra é a menos culpada pelo acidente.


Acidente ofídico com jararaca (Spike)

Jararaca

A picada de cobra é bastante dolorosa. Suspeitamos do acidente ofídico pelos sintomas, que são característicos, e pela visualização de pequenas marcas de sangue e orifícios na pele do animal. Essas marcas nem sempre são possíveis de detectar, a menos que sejam verificadas imediatamente após a picada.

No caso de jararacas, o inchaço na região da picada é muito evidente e aparece rapidamente. O veneno causa hemorragias e é comum encontrarmos equimoses (manchas de sangue) na pele ou interior da boca do cão. Pode ocorrer grandes áreas de necrose (morte do tecido) em regiões próximas à picada. No caso de cascavéis e corais, o veneno causa sinais neurológicos como incoordenação e visão turva. Pode aparecer sangue na urina de animais picados por cobras.

O cão deve ser atendido prontamente e receber o soro num prazo de 6 a 8 horas, além de tratamento de suporte, com o uso de anti-inflamatórios para conter o inchaço e a dor, antibióticos para evitar infecções, e anti-hemorrágicos. O soro antiofídico para animais NÃO é o mesmo que aquele usado em pessoas. Em caso de acidentes graves, o cão deve ficar internado, recebendo soro para 'diluir' o veneno.


Cão picado por jararaca: inchaço evidente após 5 dias

CASCAVEL:

É responsável por quase 7,7% dos acidentes no homem. Chegam a medir 1,8 metros. Possui chocalho na ponta do rabo.
Os principais sintomas do envenenamento são neurológicos e aparecem até 3 horas após o acidente. O veneno causa alterações na visão (o animal pode andar como se estivesse tonto), dor muscular e urina avermelhada que irá se tornando mais escura com o passar do tempo. Pode ter como complicação insuficiência renal.

SURUCUCU

Responsável por quase 1,4% das picadas. É uma cobra grande que chega a medir 4,5 metros. É mais comum na região amazônica.
Os sintomas do envenenamento são inchaço no local, diarréia, vômito e sangramento.

CORAL

As cobras corais são responsáveis por menos de 0,4% dos acidentes. É difícil diferenciar as corais verdadeiras das falsas, não venenosas. Vivem escondidas em tocas e aparecem em inundações. O veneno é muito potente e pode matar em minutos. Os s
intomas do envenenamento são neurológicos, como dificuldade de abrir os olhos, falta de ar, dificuldade em engolir, insuficiência respiratória aguda.

Uma informação importante é que NUNCA devemos fazer torniquete para evitar que o veneno 'se espalhe'. Tanto em animais como no homem, no caso de picadas nos membros, se o veneno permanecer concentrado no local, poderá causar gangrena. A chance de sobreviver a uma picada de cobra venenosa é grande, desde que a vítima seja atendida a tempo.

Para saber mais detalhes de como proceder no caso de picadas de cobra, clique aqui.

Livro recomendado:

Guia de Primeiros Socorros

É importante ter em mente que podemos evitar as cobras se entendermos os hábitos desses animais. As cobras entram nas propriedades em busca de alimento, que pode ser ovos de patos ou galinhas, pintinhos e pequenos roedores. Se deixarmos lixo em nossa propriedade, ele atrairá os ratos e, portanto, as cobras.

Há inimigos naturais das serpentes como os gansos e seriemas. As seriemas são aves silvestres e não podem ser criadas em cativeiros. Se os cães da casa 'souberem' conviver com os gansos, essa pode ser uma boa opção para manter as cobras à distância, além da limpeza constante da propriedade e imediações.

De qualquer maneira, se o cão frequenta locais de risco, é bastante prudente o proprietário manter o soro antiofídico estocado, para o caso de acidentes. Esse não é um produto que possa ser encontrado rotineiramente nas clínicas veterinárias. Numa emergência, poderá salvar a vida do cão.

Soro Antiofídico para animais:
- Soro anti-ofídico polivalente (jararacas, surucucus e cascavéis)
Laboratório Vencofarma do Brasil

www.vencofarma.com.br
SAC 0800 43 79 97

silvia
Silvia Parisi
médica veterinária (CRMV SP 5532)

Webanimal
www.webanimal.com.br





lado1
pixel

livro

pixel
lado2
vazio

Guia de Primeiros Socorros

Diário do Dudu
A volta ao mundo




quem somos | fale com a gente
Webanimal é marca registrada da Realty Informática Ltda.
Proibida a reprodução de artigos sem prévia autorização ©Copyright 1998 - 2015